Um site para quem precisa da Verdade
ARTIGOS (Robustecendo a Fé)
Trânsito louco?

Mauro Clark


Fato comum é o trânsito de Fortaleza ser chamado de louco. E talvez não haja mesmo melhor expressão para caracterizar o caos que vemos nas ruas, onde ocorrem insultos, acidentes, ferimentos e até mortes. Só que o trânsito é algo impessoal, uma mera conseqüência das ações dos motoristas que andam empunhando cada um a sua arma, digo, o seu carro. Em outras palavras, chamar o trânsito de louco é chamar a nós mesmos de loucos na direção.

Por que as pessoas se tornam tão agressivas no comando de um veículo? Talvez a principal razão desta guerra no asfalto, seja a impaciência  de cada um. As pessoas sempre estão com pressa. Mesmo quanto não têm hora marcada com alguém, acham uma perda de tempo ficar inutilmente sentado num banco. Cada um quer chegar logo. Com isso em mente, cada carro à frente, cada sinal vermelho, cada motivo de atraso é considerada um verdadeiro inimigo! É você contra todos; afinal “eles estão atrapalhando a minha vida” - pensa você.

Agora imagine cada motorista achando a mesma coisa. Resultado: loucura coletiva, é claro. Sugestão: quando entrar no carro, decida mentalmente ficar calmo durante todo o percurso, consciente que o mundo não vai se acabar se você demorar alguns minutos a mais para chegar. E que tal tentar sair um pouco mais cedo do que o seu costume. Sentir-se relaxado será certamente uma ótima experiência.

Outro motivo para tensão no trânsito: a prepotência. Achamos que ninguém tem o direito de ser indelicado conosco. E até que está correto. O problema é que, com direito ou não, isso é exatamente o que muitos fazem. Cortam os outros, freiam bruscamente, param no meio da rua, dobram sem dar sinal, e por aí vai...

Mas o pior de tudo é a reação da maioria que quase sempre é muito violenta: “mas ele não podia ter feito isso logo comigo! Fui provocado. Agora ele vai ver só!”. E então retribui em dobro o que não tolerou ter sido feito com ele em ponto menor. Triste solução. Seria bem melhor que fôssemos menos arrogantes e mais humildes, permitindo-nos ser alvos de certas grosserias, e, ao contrário de rebater, simplesmente deixa passar. Esse exercício com certeza nos faria muito bem, ajudando-nos a descer desse pedestal que cada um constrói para si próprio e onde gosta de se empoleirar.

Mas para agir assim, teríamos de resolver um outro grande problema: a dificuldade de perdoar. É comum decretamos a pena para o nosso ofensor: “Vai receber a maior cortada de sua vida”. E não sossega enquanto  o “castigo” não for aplicado - mesmo que passe quilômetros na tenaz perseguição. O que falta? Perdão puro e simples. Da próxima vez que lhe fizerem “uma daquelas”, que tal você simplesmente olhar para o motorista e pensar: “Eu te perdôo”?

Por fim, reconheçamos que muito da hostilização vista no trânsito, é o desabafo de nossos problemas pessoais. Quando alguém anda de carro é obvio que veio de algum lugar e se dirige a outro. Temos então a mania de despejar no trânsito o nosso mau humor, causado pelos problemas que trazemos do ponto de partida ou os que nos aguardam no destino. Mas, o que os pobres pedestres e motoristas têm a ver com isso? Será esse um procedimento justo, razoável, atencioso, respeitoso? Claro que não. Sabe o que resolve tudo isso de uma só vez? Dirigir com mais amor!

Tivemos aqui uma aula de trânsito? Não, mas sim de cristianismo aplicado. Quem consegue se comportar no trânsito com paciência, humildade, perdão e amor, está colocando em prática as mais nobres virtudes cristãs e ajudando esta cidade a ser mais segura e humana.  

 



Ministério Falando de Cristo
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus." (1 Co 1.24b)
Copyright 2004-2012. Todos os direitos reservados. http://www.falandodecristo.com