PREGAÇÃO

Jesus reage a pedidos de ajuda - 1/2 (ACJ-20)

Mauro Clark | 01/04/2018
29 minutos

headset Ouça
cloud_download Baixe
print Imprima
pregação close Jesus reage a pedidos de ajuda - 1/2 (ACJ-20)
volume_upReproduzindo o áudio na barra inferior


Jesus reage a pedidos de ajuda - 1/2 (ACJ-20)

Mc 5.21-24; Lc 7.1-10

 

Série AGINDO COMO JESUS: ênfase não nos ensinos e doutrinas, mas na atitude, no comportamento dEle, para imitá-Lo em situação semelhante.

 

Hoje veremos como Ele atendeu dois pedidos de ajuda.

Mc 5.21-24: Jairo, homem importante da sinagoga local:

O angustiado pai pediu insistentemente a Jesus para ir até à sua casa. Até que Ele foi.

Por que o homem teve de insistir? Talvez Jesus queria testar a fé do homem.

Ou estava cansado ao fim de um dia de viagens de barco, no mar da Galiléia, expulsão de demônio em Gerasa, etc. Seja como for, Jesus atendeu o pedido e foi.

 

Em princípio, sempre que puder, é bom atender quando lhe pedirem algo.

Mas certos pedidos de ajuda são errados, são mal-intencionados, abusivos.

Se quiser testar a vontade do outro de ser ajudado, a real necessidade, etc., não é errado colocar alguma dificuldade.

Apenas cuide para que o motivo do teste seja sincero, não má vontade, preguiça, etc.

E mesmo que o pedido seja genuíno e você tenha intenção de ajudar, pode não ser possível: cansaço, doença, sobrecarga nos compromissos.

Até que ponto se sacrificar para ajudar? É um limite difícil. E o amor exige sacrifício.

Peça ao Espírito Santo ajuda para saber como agir em cada pedido de ajuda.

 

Lucas 7.1-10: Centurião

Não sabemos exatamente porque o centurião mandou chamar Jesus e, quando O viu chegando pediu que Ele não viesse até a própria casa. Mandou dizer (ou disse pessoalmente) que bastaria Jesus falar e o servo seria curado.

Talvez um grande senso de indignidade tenha se apossado dEle, considerando a pessoa tão especial de Jesus, em quem ele demonstrou tanta confiança.

Bom lembrar que ele era gentio e normalmente um rabi não entrava em casa de gentio.

Fato é que Jesus admirou-se de fé tão bonita, elogiu, e aceitou a idéia de não prosseguir. Voltou do ponto onde estava e curou o doente à distância.

 

Sutileza interessante: Jesus não precisava que o centurião dissesse que Ele não precisaria ir até à frente do enfermo, para curá-lo.

Claro que Jesus sabia disso. E poderia ter dito: “Diga ao centurião que não preciso ficar em frente ao servo doente. Vou curá-lo daqui mesmo. Aliás, ele já está curado.”

Mas Jesus foi além do que precisava. Por que? Simplesmente porque o centurião pediu!

É como se Jesus houvesse dito: “Precisar ir, para dar a ajuda solicitada, eu não preciso. Mas já que o centurião está tão aflito e pediu que eu fosse, eu vou!”

Irmãos, isto é lindo demais!

 

É nobre fazer algo extra, não necessário para a ajuda em si, mas porque o outro pediu!

Atender à ansiedade pessoal, à carência interna de quem nos pede, é mais importante do que a ajuda solicitada – física, financeira, etc.

Fiquemos com esses dois belos exemplos de Jesus em que lhe pediram ajuda.

O primeiro, mesmo colocando alguma dificuldade (por motivos que desconhecemos, mas obviamente justos), Ele foi e resolveu.

O segundo, mesmo sem precisar se deslocar fisicamente, ele estava indo apenas para atender esse detalhe do pedido.

Que Deus nos abençoe. Amém

Mauro Clark, 67 anos, pastor, pregador e conferencista, foi consagrado ao ministério em 1987. Iniciou em 2008 a Igreja Batista Luz do Mundo, que adota a posição Batista Regular. Mauro Clark é também escritor. Produziu artigos em jornal por dez anos e tem escrito vários livros de orientação e edificação cristã. Em 2004 instituiu o Ministério Falando de Cristo.
FalandodeCristo © 2004-2019
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus."
1 Co 1.24b
close
Ministério Falando de Cristo © 2004-2019 - www.falandodecristo.com
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus." 1 Co 1.24b