PREGAÇÃO

Ódio de quem faz o bem

Lc 6.6-11; Mc 3.1-6; Mt 12.9-14      59 minutos      17/07/2016         

Mauro Clark


headset Ouça
cloud_download Baixe
print Imprima
pregação close Ódio de quem faz o bem
volume_upReproduzindo o áudio na barra inferior


ÓDIO DE QUEM FAZ O BEM

Lc 6.6-11 (paral. Mc 3.1-6; Mt 12.9-14)

 

Cena: sinagoga (lugar onde judeus se reuniam: leitura da lei, orações).

As narrativas de Mt, Mc e Lc se complementam. Quadro é o seguinte:

Jesus entra na sinagoga e encontra um homem com a mão direita murcha (pelo tempo do verbo no grego, talvez se referisse a acidente ou doença).

Os fariseus, sabendo que Jesus gostava de curar as pessoas, logo ficaram atentos, torcendo que Ele fizesse alguma coisa para O acusarem.

Era Sábado. Conforme a Lei, os judeus não podiam trabalhar no Sábado.

 

O motivo é que Deus havia descansado da Criação que fizera em 6 dias. E queria que judeus (e todos os homens) seguissem esse modelo. Escolheu o Sábado para ser esse dia de descanso.

Mas os judeus aumentaram muito essa exigência e fizeram listas enormes e sem sentido.

Ex.: era proibido cuspir, pois poderia nascer semente e isso seria cultivo da terra.

 

Jesus simplesmente não observava essas regras ridículas e curava no Sábado.

Os escribas e fariseus ficavam com ÓDIO, pois afrontava o ensino deles.

E também tinham INVEJA, por causa do poder dEle e as pessoas que atraía.

 

Quando viram Jesus e o homem com a mão mirrada dentro da sinagoga, pensaram: “Vamos ver o que Ele vai fazer. Agora vamos pegá-Lo.”

Jesus leu os pensamentos deles e, com o coração ardendo de vontade de ajudar o pobre homem, resolveu ensinar uma lição aos fariseus e a todos os presentes.

Manda o homem ir para o meio, para ficar bem à vista de todos.

 

Neste ponto os fariseus não aguentaram e perguntaram:

é lícito curar no sábado? - Mt 12.10b

Era a oportunidade que Jesus esperava. Responde com outra pergunta muito inteligente:

 

Que vos parece? É lícito no sábado, fazer o bem ou o mal? Salvar a vida ou deixá-la perecer?  - Lc 6.9

Veja a sutileza: os fariseus perguntaram se era lícito CURAR - como atividade, trabalho.

Jesus desprezou o aspecto da atividade e olhou para a ATITUDE com o próximo.

 

Para Jesus, a opção NÃO era fazer o bem ou não fazer nada. Não fazer o bem podendo fazê-lo é igual a fazer o mal.

Pelo fato de ser sábado, era lícito fazer o mal? Era isso que Deus queria das pessoas? Ou será que Deus esperava que fosse feito o bem?

 

Pelo fato de ser sábado, era melhor salvar/curar alguém, ou deixar doente e até morrer?

Somente essas perguntas já eram suficientes para deixar os fariseus mudos.

A resposta era evidente demais.

Mas Ele foi além: ler Mt 12.11-12a

Argumento agudo, pois expunha toda a falta de amor daqueles homens pelo próximo.

 

Amavam mais uma ovelha do que um homem! E qual vale mais?

Novamente a resposta era óbvia. E Jesus conclui:

 

Logo, é lícito, nos sábados, fazer o bem. - Mt 12.12b

Mais uma vez Jesus não se refere ao ATO de “curar”, mas de FAZER O BEM.

A cura é apenas um meio de fazer o bem. Existem outros, todos igualmente válidos.

Reação dos fariseus: Mas eles ficaram em silêncio Mc 3.4b - Claro! Iriam falar o que?

 

Jesus fica alegre e satisfeito com a “rasteira” lógica e doutrinária que deu nos doutores da lei e nos fariseus, certo?

Mc 3.5a: Olhando-os ao redor, indignado e condoído com a dureza do seu coração

indignado: οργη orge: raiva, ira

condoído: συλλυπεω sullupeo: entristecer-se profundamente, condoer-se.

 

O Salvador estava moído por dentro.

Como os homens podem ser tão ruins no íntimo? E desprezarem outros a ponto de preferir não ver um pobre homem curado do que ter seus ensinos e regras afrontados?

 

Estava na hora de Jesus mostrar o SEU amor pelos homens, a Sua compaixão pelos sofredores e carentes. 

Mc 3.5b: … disse ao homem: Estende a mão. Estendeu-a e a mão lhe foi restaurada.

Quando estamos com uma unha inflamada, vemos a falta que um dedo nos faz.

Imaginem a alegria daquele homem em ver a sua mão restaurada.

 

E quanto aos fariseus?

Aprenderam a lição, ficaram envergonhados com a dureza de coração, foram até o homem, abraçaram-no e respeitosamente honraram a Jesus. Será?

 

Lc 6.11 e Mt 12.14

Cheios de furor, planejavam matar Jesus.

Furor:  ανοια (α + νους): a + nous: sem conhecimento. Fig: tanta raiva que fica sem condições de raciocinar.

A reação a uma bela atitude de amor humano foi um plano assassino.

 

Algumas lições e aplicações para nós:

1) Jesus se deliciava em fazer o bem, ajudar pessoas, aliviar sofrimentos.

Pouco importava para Ele se era sábado ou outro dia da semana, ou manhã ou noite.

Ele sofria quando via pessoas sofrendo. Ele compartilhou com o sofrimento delas.

Mas o maior mal que aflige a humanidade não é mãos mirradas, câncer, mas o pecado.

Esse mal é impossível de ser curado pelo próprio homem e leva à morte eterna.

Pois Jesus veio também para livrar o homem desse flagelo.

O maior bem que Ele fez foi salvar almas do pecado: 1Tm 1.15

E para isso, Ele teve de assumir o pecado de todos os homens e colocar sobre Si.

Quem cresse nEle e se arrependesse, estaria aliviado desse mal e seria convertido.

 

Uma vez alguém me falou que Jesus só beneficiou os da época dEle.

Grande engano! Jesus beneficiou a todos, independentemente de época.

VOCÊ pode se beneficiar hoje.

Sabe por que? Porque ainda HOJE Ele gosta de ajudar as pessoas e aliviar sofrimentos. Faça o que Ele diz e veja o que Ele vai fazer!

O homem da mão murcha obedeceu, foi para o centro e ficou curado.

Seja humilde, arrependa-se dos seus pecados, creia nEle e fique curado.

 

2) Jesus tinha urgência

Por que não esperou 24 horas para curar? O que pode ser curado não deve esperar.

Jesus continua tendo urgência hoje na salvação de almas.

Você está salvo? Não? É bom resolver essa PENDÊNCIA o mais rápido possível.

 

3) Devemos imitar Jesus e também fazer o bem de todas as formas possíveis

Quando essa história é contada, todos antipatizam com os fariseus, que se opunham ao belo ministério de Jesus e não queriam ver o homem curado.

Mas será que, além disso, todos simpatizam com o que Jesus fez, a ponto de se identificarem com Ele na intensa vontade de fazer o bem?

Aí fica mais difícil, pois fazer o bem cansa: Gl 6.9

 

Pesquisa: escreva 3 propósitos que dão motivos à sua vida.

Seria interessante verificar se você colocaria: FAZER O BEM.

Se sim, ótimo. Se não, questione os seus propósitos e valores nesta vida.

Deus valoriza muitíssimo quem se dispõe a ajudar, especialmente com sacrifício pessoal.

Quando estiver esmorecendo nessa nobre atividade de FAZER O BEM, olhe para Jesus!

 

4) O mundo sempre se opôs à prática do bem

Ou melhor, desde que o pecado entrou na humanidade.

O mundo é dominado pelo grande inimigo de Deus: o diabo (príncipe deste mundo).

1Jo 5.19: O mundo inteiro jaz no Maligno.

 

Os fariseus eram amostras de como agem corações endurecidos – ódio, frieza, interesse próprio, inveja, crueldade.

E aqueles homens eram elite religiosa de Israel, pessoas cultas e educadas.

Mas é que para o pecado, não há diferença entre raça, sexo, dinheiro, cultura. O pecado nivela a todos por baixo.

Ainda hoje é assim. Todos nós sabemos isso – vemos em outras pessoas e em nós próprios. Mesmo os salvos, ainda pecam.

 

Mas o que quero dizer com isso? Duas coisas:

A) O mundo não vai querer que você seja salvo por Jesus, do mesmo jeito que os fariseus não queriam que o homem fosse curado.

Obstáculos surgirão no momento em que você procurar com seriedade a ajuda de Cristo.

 

B) Os que confiam no homem estão perdendo tempo e se prejudicando.

Não sei como pode existir quem tenha FÉ NO HOMEM, um ser tão pecador e ruim.

- Mas, pastor, não são todos assim! Existem pessoas boas, que querem realmente ajudar.

Concordo. Mas, mesmo elas são pecadoras (a ajuda não é PERFEITA, como a de Cristo) e só podem ajudar até certo ponto - são muito limitadas.

 

5) Deus se entristece por causa do pecado e ao mesmo tempo reage com indignação contra a dureza de quem resiste a abandonar o pecado

Pecado é ofensa à natureza de Deus e isso O entristece, O ofende.

Mas não fica só na tristeza. A Sua natureza santa desperta IRA contra o pecado.

E mais: mesmo sendo o ofendido, Ele providenciou plano de salvação.

Quando alguém rejeita esse plano, além da ira pelos pecados da pessoa, Deus acrescenta a INDIGNAÇÃO pela REJEIÇÃO ao que gratuitamente ofereceu. Sl 81.11-12

Cuidado, amigo, com a indignação de Deus!

 

6) Aceite a ajuda de Cristo!

O homem da mão mirrada foi feliz em aceitar a ordem de Jesus e se expor ao poder dEle.

Faça assim também. Aceite que Cristo faça em você o que Ele quiser. Não há perigo de ser alguma coisa má. Tem que ser boa! É obrigatório, faz parte da natureza dEle!

Arrependa-se e entregue-se a Cristo. E tenha a alma eternamente curada!

 

Que Deus nos abençoe. Amém

Mauro Clark, 69 anos, pastor, pregador e conferencista, foi consagrado ao ministério em 1987. Iniciou em 2008 a Igreja Batista Luz do Mundo, que adota a posição Batista Regular. Mauro Clark é também escritor. Produziu artigos em jornal por dez anos e tem escrito vários livros de orientação e edificação cristã. Em 2004 instituiu o Ministério Falando de Cristo.
FalandodeCristo © 2004-2021
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus."
1 Co 1.24b
close
Ministério Falando de Cristo © 2004-2021 - www.falandodecristo.com
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus." 1 Co 1.24b