PREGAÇÃO

A Criação (Série GÊNESIS 1 de 55)

Gn 1.1-2.3      35 minutos      15/03/2015         

Mauro Clark


headset Ouça
cloud_download Baixe
print Imprima
pregação close A Criação (Série GÊNESIS 1 de 55)
volume_upReproduzindo o áudio na barra inferior

Faremos um rápido passeio pelo primeiro capítulo de Gênesis (e um pouco do segundo), sem muitos detalhes, apenas comentando alguns pontos que considero importantes.

Assumo que o Universo foi criado ex-nihilo (do nada) em seis dias literais (Êx 20.11).

É bem melhor do que adotar teorias tipo “intervalo”, “dias era”, etc.

 

v.1

Os céus e a terra foram criados num determinado ponto no tempo.

Interessante é a naturalidade com que o escritor (Moisés) fala em Deus.

Simplesmente assume a existência de um Criador. Não se se preocupa em provar, argumentar e nem mesmo explicar quem é esse Deus. (Essa explicação viria pouco a  pouco com a revelação das Escrituras).

 

v.2

A terra foi criada:

* com água não apenas na superfície, mas muito acima;

* sem porção seca;

* sem vida

* sem luz

 

O Espírito de Deus pairava por sobre as águas:

Primeira referência a uma outra Pessoa divina.

A ideia não é apenas de presença, mas de superintendência, supervisão.

 

E assim começa a Criação em seis dias do Universo.

Vai começar a vida na terra.

Daqui para a frente a Bíblia vai falar em dias.

 

Razões porque assumo que são dias de 24 horas, igual a hoje:

1) Palavra hebraica: yom:

* Usada 1200 vezes como dia literal. Apenas 65 vezes, como tempo indeterminado, tipo “tempo da adversidade”.

*  Nenhuma vez indica longo período de tempo. Existem outras palavras para isso.

*  Nesse relato, não é usada como tempo indefinido, mas:

   a) Os dias foram numerados: primeiro, segundo, etc.

   b) Foram estabelecidas as fronterias do dia: manhã e tarde

 

2) Muitas vezes o primeiro uso da palavra na Bíblia define o seu sentido. No v.5 o conceito de “dia” é explicado (embora a Bíblia também usa “dia” no sentido de abarcar manhã, tarde e noite).

 

3) Nos versículos 14-19 há o contraste entre dia e noite.

 

4) Em Êxodo 20.8-11 a semana de Deus é igual à semana do homem.

 

v.3

Haja luz: Talvez mais importante do que a própria criação da luz, seja a maneira como foi criada: apenas dizendo haja luz.

... e houve luz: Poder criador de Deus. Ele desejou, mandou e fez-se.

 

v.4

e viu Deus que ... era boa: não como fazendo experiência, mas comprovando.

 

v.4b-5

separação: alternância, ora dia, ora noite.

Primeiro: Numeração, ideia de ordem, sequência planejada.

 

v.6-8

Segundo dia: antes, a terra era envolvida por gigantesca camada de água.

Agora, essas águas foram separadas pelo céu.

 

v.9-13

Terceiro dia: Terra e mar; reino vegetal (primeira forma de vida, a mais baixa).

Segundo a sua espécie: perpetuação da espécie, por repetição, não através de aperfeiçoamento, como querem os evolucionistas.

Essa expressão será muito repetida, daqui em diante.

 

v.14-19

Quarto dia: sol, lua, estrelas. Não sabemos como era a luz anteriormente.

Talvez o próprio Deus a produzisse diretamente (Ap 22.5)

 

v.20-23

Quinto dia: animais marinhos e aves. Forma de vida mais elevada que os vegetais.

multiplicai-vos: primeira vez ordenada a procriação (também segundo a espécie).

 

v.24-25

Sexto dia: Animais da terra - domésticos, répteis, selváticos.

 

v.26

Façamos... nossa imagem: Sugestão de pluralidade de Pessoas.

Por trás dessa sugestão, saberíamos depois da existência de uma trindade.

Homem: obra-prima da Criação. Forma de vida muito mais complexa:

 * Imagem e semelhança de Deus: noção de existência; personalidade, raciocínio; moral.

 * Capacidade de dominar sobre toda a terra.

 

v.27-31

Criado o primeiro casal.

Alimentação:

Os homens deveriam comer apenas frutas e sementes (vegetariano). Depois do dilúvio, Deus permitiu comer carne: Gn 9.3

Os animais, quando criados, deveria comer erva verde.

Com o pecado, muitos ficaram carnívoros, até mesmo se alimentando de seres humanos.

 

... e eis que era muito bom: antes, era apenas “bom”. Agora, “muito bom”.

Talvez por causa da criação do homem ou pelo conjunto da obra, agora terminada.

 

2.1-2

Deus ... descansou: não que estivesse cansado, mas cessou a atividade criadora.

 

v.3

dia sétimo. O que viria a ser o Sábado dos judeus.

abençoou... santificou. Aqui estabelecido o princípio para os homens: período de sete dias, seguido por seis de atividades e um de descanso.

santificou. Separou à parte, consagrou para Ele.

Até hoje guarda-se um dia na semana por causa desse princípio.

 

... de toda a obra que, como Criador, fizera

Assim encerra o relato resumido da Criação, lembrando que Deus fizera todas as coisas:

* não como cumprindo ordens de alguém

* não como participante de uma equipe de outros criadores

* não por alguma necessidade, algo que O constrangesse a isso

* mas como Criador: único, absoluto, com o Seu próprio poder, segundo a Sua própria mente, porque quis, do modo que desejou, no tempo que marcou.

 

Observações finais:

Vemos hierarquia na Criação: planeta terra e astros sem vida; vegetais; animais (que comeriam os vegetais); e, acima de tudo, dominando, o homem.

E onde Deus entra na hierarquia? Explicitamente, só será comentado no capítulo 2.

Claro que há a ideia implícita de que, como criador, Ele estaria sempre acima de tudo e de todos.

 

Esse relato deveria ser mais lido pelos homens, para que se lembrem que são meras criaturas de um Deus Todo Poderoso.

E não o contrário, como gostam de dizer alguns ímpios: “o homem criou Deus à sua imagem e semelhança”.

Muita angústia existencial de milhões seria evitada se somente cressem em Gênesis 1.

Entenderiam melhor a sua origem, o sentido da existência, as obrigações e responsabilidades para com o Deus Criador.

Muitos dizem “ainda não me encontrei”. Mas se cressem no Criador e quisessem se relacionar com Ele, certamente terminaria encontrando a si mesmo (via Cristo).

 

Quanto a nós, crentes, só temos que dar graças por crermos que fomos criados por Deus, conforme o relato de Gênesis.

Mas isso ainda é pouco: tivemos o altíssimo privilégio de passar a fazer parte de uma segunda criação, a dos filhos de Deus, salvos pela fé em Cristo.

 

Que Deus nos abençoe. Amém

Mauro Clark, 69 anos, pastor, pregador e conferencista, foi consagrado ao ministério em 1987. Iniciou em 2008 a Igreja Batista Luz do Mundo, que adota a posição Batista Regular. Mauro Clark é também escritor. Produziu artigos em jornal por dez anos e tem escrito vários livros de orientação e edificação cristã. Em 2004 instituiu o Ministério Falando de Cristo.
FalandodeCristo © 2004-2021
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus."
1 Co 1.24b
close
Ministério Falando de Cristo © 2004-2021 - www.falandodecristo.com
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus." 1 Co 1.24b