PREGAÇÃO

A culpa é sua!

      26 minutos      31/10/2014         

Mauro Clark


headset Ouça
cloud_download Baixe
print Imprima
pregação close A culpa é sua!
volume_upReproduzindo o áudio na barra inferior


Cada um aqui já disse esta frase ao cônjuge ou já ouviu dele.

Vejamos pelo ponto de vista de cada um:

1) O CÔNJUGE QUE DIZ

Deve observar:

a) Se tem razão.

* Se não é verdade: foi injusto, errou, precisa reconhecer e pedir perdão. Tg 5.16a.

... pecados: grego: paraptoma: erros, culpas.

* Se tem razão, deveria ter dito mesmo. Não é errado dizer para alguém que ele errou.

Paulo denunciou Pedro no rosto, na frente de muitos: Gl 2.14

Mas muitas vezes não é tão simples, pois a culpa é dos dois!

Nesse caso, vai apenas piorar a situação, dizer "A culpa é sua!"

O outro vai rebater, irritado: "E você, santinho, não tem culpa nenhuma?"

Correto é: "Vemos reconhecer que NÓS DOIS erramos e consertemos isso."

 

b) A MANEIRA como diz.

Mesmo que tenha razão, é fundamental a forma como diz. Mas fundamental mesmo!

Ex.: "Papai, mande mais dinheiro!"

Pv 15.1: branda: hebr.: suave - usada para carne: tenra macia.; Cl 4.6

 

c) As CIRCUNSTÂNCIAS em que diz.

Ter razão e dizer com palavra suave, ainda não é tudo.

Ela atrasada para escola dos filhos, elevador quebrado, não tem doçura nas palavras que resolva você dizer que a culpa é dela em alguma coisa. Ou dizer na frente dos filhos, etc.

Pv 25.11

 

d) O PROPÓSITO com que diz.

Mt 10.16: simples: ακεραιος akeraios: lit.: sem mistura; fig. puro, sem malícia

Você pode ter razão quando diz que o cônjuge teve culpa, falar de maneira afável, escolher o momento com cuidado, e ainda estar errado!

Basta que a sua intenção seja ruim, lá dentro do coração:

- Quer se vingar porque ele lhe crucificou ontem quando você era o culpado.

- Quer que ele engula o orgulho, porque disse que raramente erra e agora você o pegou.

- Quer disfarçar a sua culpa em outra coisa.

São propósitos escusos, escondidos.

O crente deve ser sincero: Fp 2.15: sincero: mesma palavra traduzida por “simples”.

O propósito deve ser benigno, com interesse em resolver, com amor.

 

2) O CÔNJUGE QUE OUVE

Examinar com coragem e ajuda de Deus, se procede: Jr 17.9-10; Sl 139.23-24

a) Se for verdade.

Ter humildade para reconhecer, tratar e pedir perdão, se for o caso. Tg 5.16.

Será difícil ter humildade quando a maneira do outro for ruim, mas tem de ser humilde.

 

b) Se não for verdade.

Obviamente você não irá aceitar a acusação. Segredo é a maneira de você não aceitar.

A vontade da carne é agredir, gritar, acusar de volta.

Certo: manter o domínio próprio, dizer que não aceita e pedir que o acusador avalie o motivo de fazer aquela acusação. Mesmo num impasse, nenhum deve ferir e magoar.

"Você acha que eu errei e eu acho que não. Lamento o desencontro, fiquemos assim".

 

Termino repetindo: fundamental que haja amor mútuo, em todos os passos. Ef 4.2-3

Que Deus nos abençoe. Amém.

Mauro Clark, 69 anos, pastor, pregador e conferencista, foi consagrado ao ministério em 1987. Iniciou em 2008 a Igreja Batista Luz do Mundo, que adota a posição Batista Regular. Mauro Clark é também escritor. Produziu artigos em jornal por dez anos e tem escrito vários livros de orientação e edificação cristã. Em 2004 instituiu o Ministério Falando de Cristo.
FalandodeCristo © 2004-2021
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus."
1 Co 1.24b
close
Ministério Falando de Cristo © 2004-2021 - www.falandodecristo.com
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus." 1 Co 1.24b