PREGAÇÃO

Cristo: o superexaltado! (Série COLOSSENSES 5 de 30)

Cl 1.13-20      60 minutos      11/12/2016         

Mauro Clark


headset Ouça
cloud_download Baixe
print Imprima
pregação close Cristo: o superexaltado! (Série COLOSSENSES 5 de 30)
volume_upReproduzindo o áudio na barra inferior
Na pregação passada, no v.12, comentei que os santos em Cristo herdarão com Ele o reino de Deus, no céu, na vida eterna, sob a luz do próprio Deus!

Cada crente recebeu uma parte dessa herança.

E para receber, teve de ser feito idôneo, adequado para essa condição.

Perguntei como foi o processo de receber essa idoneidade e ficamos de ver hoje.

 

v.13

Imagine-se quando incrédulo e agora: algo fantástico aconteceu. O que?

Você falaria de um vazio interno, arrependimento, fé, conversão a Cristo.

Tudo certo, só que esse é o SEU ponto de vista!

Um sobrevivente na selva dirá que de repente surgiu um helicóptero e o resgatou. Mas não sabe o tamanho enorme da operação que havia por trás para localizá-lo.

 

Aqui Paulo fala da nossa salvação do ponto de vista de Deus Pai.

E vemos que foi uma poderosíssima operação resgate.

Pertencíamos ao império das trevas, império de Satanás, como escravos.

O Pai nos arrancou de lá e nos transportou para outro reino: o do Filho do Seu amor.

Contraste: império das trevas x herança num reino de luz (v.12)

 

Daqui até o v. 19, Paulo discorrerá sobre características da Pessoa e da obra do Filho, numa superexaltação à Pessoa de Cristo.

 

v.14

No Filho temos:

Redenção: gr. απολυτρωσις: libertação efetuada pelo pagamento de resgate.

 

Mas não fomos apenas libertados de Satanás, para depois prestarmos contas de nossos pecados ao rigorosíssimo juízo do Deus Santo:

... remissão de pecados: gr αφεσις aphesis: remissão ou perdão, de pecados “permitindo que sejam apagados da memória, como se eles nunca tivessem sido cometidos” - Strong)

Nós saímos da prisão perdoados!

 

... de pecados: se tínhamos pecados diante de Deus, não éramos apenas inocentes vítimas na prisão de Satanás.

Certo que há um sentido de vítima, mas o fato é que não éramos nada de inocentes, mas pecadores, inimigos de Deus, ofensivos à santidade dEle.

Merecíamos estar lá. Se saímos, foi por amor de Deus, que nos perdoou e nos tirou da lá.

 

Até aqui sabemos que o Filho tem um reino e nEle temos liberdade e perdão.

Mas isso ainda é pouco:

 

v.15: imagem do Deus invisível: imagem: εικων eikon: imagem, figura, semelhança.

O Deus invisível se revela através do Filho. Mas o Filho não é apenas uma imagem criada, ou uma mera representação do Pai.

Jesus não é uma TEOFANIA, mas o próprio Pai revelado nEle, e isso de tal maneira que disse: quem vê a mim, vê o Pai - Jo 14.9 e  Eu e o Pai somos um (Jo 10.30)

Essas passagens afirmam claramente a DIVINDADE do Filho.

Cristo não é um mero refletir do Pai, mas tem na essência a mesma glória do Pai:Hb 1.3.

 

Tudo o que deveríamos saber do Pai, vemos no Filho.

Cada atributo do Pai, o Filho também tem: O Pai é santo? O Filho também é. O Pai é justo? O Filho também é, etc.

O amor do Pai pelos homens está no Filho. A misericórdia, a compaixão, etc.

 

Mas se há semelhanças entre as duas Pessoas divinas, também há DIFERENÇAS.

E a próxima característica do Filho é exclusiva dEle:

... o primogênito de toda a criação

Entra aqui um elemento altamente misterioso, que é a relação do Filho com a Criação.

Pode parecer afirmar que o Filho foi o primeiro dos seres criados. Mas não é isso.

Os v.16 e 17 dão a pista para o significado de “primogênito” aqui. Duas ideias:

 

1. Ideia aqui é de “ser antes”.

v. 17: Ele é antes de todas as coisas.

Prioridade no tempo: o Filho existiu antes da Criação.

Não tem sentido falar em Criação sem antes falar nEle.

Nele tudo subsiste: E mais: a Criação continua existindo nEle, por Ele, por causa dEle.

 

2. Ideia de supremacia.

O Filho é absolutamente supremo sobre a Criação.

 

v.16: Nele foram criadas...  Criadas por meio dEle... Para Ele - Jo 1.1-3

Não afirma diretamente que Cristo criou o Universo.

A ideia é de Alguém criando junto com Ele, através dEle, por causa dEle e para Ele.

Esse Alguém obviamente é o Pai.

 

O Rei para cujo reino fomos transportados é o Senhor de tudo, um Ser divino.

Sua autoridade é total. Seu poder não tem limites. Sua influência é absoluta, vital para que tudo exista e continue a existir.

 

Após falar de “tudo”, “todas as coisas”, Paulo afunila e se refere a um grupo específico:

v.18a: cabeça do corpo, da igreja

igreja: conjunto de todos os crentes do Pentecostes até o Arrebatamento.

Quem pertence a esse grupo é chamado de “nova criatura”, pertence a uma nova criação.

 

corpo: Cristo e a Sua Igreja formam uma unidade orgânica, viva, e Ele é o Cabeça desse organismo. (Igreja local também é organismo em si e Ele é o Cabeça).

Então, com relação à nova criação, Ele também é líder supremo, soberano.

 

v.18b

De repente, no meio do versículo, um susto:

Ele é o o princípio, primogênito entre os mortos

Será engano? Depois de tudo o que vimos, ler que Ele é o primogênito dentre...os mortos!

Mas é verdade. Ele morreu. Causa: v.20

 

v.20: ... fazer a paz com o seu sangue

A paz foi perdida quando o pecado entrou no mundo.

A harmonia entre Deus e a Criação foi quebrada.

O homem foi cortado do relacionamento com Deus. A terra foi amaldiçoada. A Natureza duramente atingida.

 

Entra o plano da salvação: Deus iria propor ao homem que se RECONCILIASSE com Ele.

E para essa reconciliação ser efetivada, sangue humano inocente teria de ser derramado.

Mas não havia na terra um só ser humano com sangue inocente.

 

O Pai propõe que o Filho assuma existência humana real, gerado pelo Espírito Santo no ventre da virgem Maria, sem pecado algum.

O Filho aceita e então nasce no mundo o primeiro ser humano sem pecado após Adão e Eva terem pecado e contaminado todos os seus descendentes.

 

Deus aceitaria o sacrifício de Jesus Cristo como suficiente para pagar os pecados.

E esse sacrifício foi feito na cruz.

Os homens têm então plenas condições de fazer as pazes com Deus.

Mas como proceder para fazer essas pazes? Continuaremos na próxima semana.

 

Que Deus nos abençoe. Amém

Mauro Clark, 68 anos, pastor, pregador e conferencista, foi consagrado ao ministério em 1987. Iniciou em 2008 a Igreja Batista Luz do Mundo, que adota a posição Batista Regular. Mauro Clark é também escritor. Produziu artigos em jornal por dez anos e tem escrito vários livros de orientação e edificação cristã. Em 2004 instituiu o Ministério Falando de Cristo.
FalandodeCristo © 2004-2021
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus."
1 Co 1.24b
close
Ministério Falando de Cristo © 2004-2021 - www.falandodecristo.com
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus." 1 Co 1.24b