PREGAÇÃO

Sua parte é encher o pote - 3/3 (Série FAÇA A SUA PARTE 3 de 3)

Jo 2.1-12      minutos      11/08/2013         

Mauro Clark


headset Ouça
cloud_download Baixe
print Imprima
pregação close Sua parte é encher o pote - 3/3 (Série FAÇA A SUA PARTE 3 de 3)
volume_upReproduzindo o áudio na barra inferior


1 Três dias depois, houve um casamento em Caná da Galiléia, achando-se ali a mãe de Jesus.2Jesus também foi convidado, com os seus discípulos, para o casamento.3Tendo acabado o vinho, a mãe de Jesus lhe disse: Eles não têm mais vinho.4Mas Jesus lhe disse: Mulher, que tenho eu contigo? Ainda não é chegada a minha hora.5Então, ela falou aos serventes: Fazei tudo o que ele vos disser.6Estavam ali seis talhas de pedra, que os judeus usavam para as purificações, e cada uma levava duas ou três metretas.7Jesus lhes disse: Enchei de água as talhas. E eles as encheram totalmente.8Então, lhes determinou: Tirai agora e levai ao mestre-sala Eles o fizeram.9Tendo o mestre-sala provado a água transformada em vinho (não sabendo donde viera, se bem que o sabiam os serventes que haviam tirado a água chamou o noivo10e lhe disse: Todos costumam pôr primeiro o bom vinho e, quando já beberam fartamente servem o inferior; tu, porém, guardaste o bom vinho até agora.11Com este, deu Jesus princípio a seus sinais em Caná da Galiléia; manifestou a sua glória, e os seus discípulos creram nele.
############
Na primeira pregação explorei o evento em si, falando na interferência de Maria no início do ministério de Jesus e na reação dEle.

 

E falei que, apesar do milagre ter várias aplicações, eu me concentraria num

princípio muito bem simbolizado aqui: em muitas áreas da vida, Deus age como um complemento à ação do homem.

Jesus fez questão de utilizar pessoas como intermediárias na execução do milagre.

Mesma coisa conosco: Deus age a partir do ponto em que nós chegamos ao limite.

E faz questão que cheguemos a esse limite.

 

Fiquei de ver CINCO exemplos. Vimos um na 1ª. mensagem, 3 na 2ª. e agora o último

 

5) Conversão de um pecador (responsabilidade com a alma e corpo dos outros)

Todo discípulo de Cristo precisa pregar o Evangelho, visando a salvação de almas.

Quando Deus deu a lei a Moisés, deixou claro a necessidade da pregação.

Começou com ele próprio sendo convocado (e resistiu muito!): Ex 3.10

Os profetas foram escolhidos exatamente para divulgar o que Deus queria transmitir:

Is 6.8; Jr 1.4-10

Mas o primeiro homem chamado de pregador foi muito antes de Moisés: Noé: 2Pe 2.5

Resumo do que o VT diz sobre a atividade de anunciar boas novas: Is 52.7

 

O NT deixa ainda mais claro essa fundamental responsabilidade, através de:

a) Exemplos

Jesus: Mt 4:17; Lc 4:18–19

Pedro: At 2.14

Paulo: At 9.20-22; Gl 1.15-15; 1Co 9.16;

 

b) Ordem direta de Jesus e de outros, a pessoas específicas e aos discípulos em geral:

Mc 16.15; Mt 28.19; Lc 24.46-49; 2Tm 4.2 (cinco verbos) Rm 10:14; Gl 1:8–9; 2Tm 2.2

 

Todo crente precisa fazer de tudo para alcançar o pecador: falar, pregar, testemunhar.

Isso é colocar água no pote.

 

POR OUTRO LADO, independentemente de quem prega, como prega, quando prega, onde prega, é Deus Quem converte, baseado numa escolha pessoal dEle.

O principio da eleição já era vista na escolha de Israel: Ne 9.7; Is 41.8-10; Ez 36.19-24, 31-32; Dt 7:6-8

Critério da eleição: amor especial de Deus, um amor que O levou a escolher.E ponto final!

  

NT O princípio da eleição pessoal fica muito mais claro no NT:

Jo 1.11-13; 3.1-5; Ef 1.3–6; 1 Pe 2.9; 2 Ts 2.13; 2 Tm 1.9; 2.10; Jo 13.18; 15.16; Rm  8.29; 9.11; 1 Co 1.26–29; Tt 1.1

 

Calvinismo (deriva o nome de Calvino (1509-1564)): posição doutrinaria que crê na eleição incondicional de Deus e na total incapacidade do homem chegar a Deus sem a ação do Espírito Santo, pois o homem está morto em seus pecados.

O livre arbítrio foi perdido em Adão. É Deus quem decide quem irá salvar.

A conversão é um novo nascimento espiritual, impossível de ser revertido (segurança eterna do salvo).

 

Armininanismo (de Armínio (1560-1609)): crê que o que a Bíblia chama de eleição é apenas pre-ciência; que o todo homem recebeu de Deus a condição de decidir se quer ser salvo ou não e que, mesmo depois de querer ser salvo, pode perder a salvação.

 

O Arminiano acusa o Calvinista de trabalhar pouco, porque descansa na soberania de Deus e na incapacidade do homem.

Só que o Calvinista não age assim, pois sabe que Cristo transforma em salvo o pecador que ouviu o Evangelho.

Ouviu DE QUEM? Do crente que pregou.

O crente coloca a “água” e Cristo transforma em vinho.

No milagre, sem água não teria havido vinho!

E o vinho era excelente, perfeito. A salvação que Cristo opera é perfeita, eterna.

 

- Se é Deus quem salva, POR QUE PREGAMOS?

Porque Deus manda! Isso basta.

Mesmo assim, é bom saber que se Deus manda, é benéfico:

- Nos sentimos cooperadores com Ele

- Exercitamos compaixão com o próximo

- Nos lembramos que fomos alvos da mesma pregação e exercitamos gratidão

 

Você, amigo sem Cristo, está ouvindo o Evangelho. Estou “colocando água na pote”.

Peça a Deus que faça o milagre de lhe transformar num filho de Deus, salvo eternamente.

 

E você, irmão em Cristo, trabalhe e lute pelo seu sustento, saúde, crescimento espiritual,  resistência às tentações e pela conversão dos pecadores, como se Deus não tivesse nada com isso.

Ao mesmo tempo, entregue o resultado totalmente a Deus, como se você não tivesse nada com isso.

O próprio Calvino reconhecia que não tinha todas as respostas e sempre citava Dt 29.29

 

Que Deus nos abençoe. Amém

 

Mauro Clark, 69 anos, pastor, pregador e conferencista, foi consagrado ao ministério em 1987. Iniciou em 2008 a Igreja Batista Luz do Mundo, que adota a posição Batista Regular. Mauro Clark é também escritor. Produziu artigos em jornal por dez anos e tem escrito vários livros de orientação e edificação cristã. Em 2004 instituiu o Ministério Falando de Cristo.
FalandodeCristo © 2004-2021
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus."
1 Co 1.24b
close
Ministério Falando de Cristo © 2004-2021 - www.falandodecristo.com
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus." 1 Co 1.24b