PREGAÇÃO

Distinguindo o que é divino e o que não é

Jz 13      76 minutos      18/04/2021         

Mauro Clark


headset Ouça
cloud_download Baixe
print Imprima
pregação close Distinguindo o que é divino e o que não é
volume_upReproduzindo o áudio na barra inferior

Época: aproximadamente 1100 aC, período dos juízes.

Ciclo: idolatria, opressão inimiga, clamor a Deus, juiz, libertação, morte do juiz, idolatria…

Aqui inicia mais um ciclo: fizeram o que era mal perante Deus, os filisteus oprimem Israel por 40 anos.

Deus começa a providenciar um novo juiz: o famoso Sansão (contemporâneo de Samuel).

 

v. 1-7

O Anjo do Senhor aparece à mulher de Manoá.

Quem era? O próprio Deus numa teofania.

Devia ser a Segunda Pessoa da Trindade, Cristo, em manifestação pré-encarnada.

O Anjo assegura que a mulher, até ali estéril, iria conceber um filho.

 

Impressionante como  Deus se agrada de mostrar o Seu poder em mulheres estéreis, tornando-as férteis. Poderíamos citar vários exemplos da Bíblia (Sara, Ana, Isabel)

O fato é que Deus gosta de curar o que é enfermo, consertar o que é errado, endireitar o que é torto.

Quando Deus criou o Universo, considerou tudo “bom”.

O pecado veio e estragou tudo.

As curas que a Bíblia registra e as que Deus faz ainda hoje são sinais da vontade dEle em ver tudo correto e de que assim será na eternidade.

 

A mulher recebeu instruções específicas: não beber vinho ou bebida forte e nem comer coisas imundas, pois o filho dela seria nazireu: consagrado de maneira especial a Deus.

O filho iniciaria o livramento de Israel do poder dos filisteus, ou seja, seria o próximo juiz de Israel. Veja a ideia de que Sansão não iria deixar o seu trabalho completo.

 

Após o diálogo, é implícito que o Anjo desapareceu, a mulher correu e contou ao marido.

Observe:

* Ela notou algo bem diferente no mensageiro (um homem de Deus … aparência semelhante à dum anjo de Deus, tremenda).

Até ali, pensava que era um homem, sem entender que o próprio Deus havia aparecido.

* Ela não sabia dois dados importantes sobre o homem: o nome e de onde era.

 

Vejamos como Manoá recebeu a notícia:

v.8

O pedido para o homem de Deus retornar é muito interessante e inédito.

A princípio poderíamos pensar que a reação de Manoá mostrava certa incredulidade ou ou resistência em aceitar o que Deus dissera através do mensageiro.

Mas examinando bem a oração e o restante da história, não percebemos essa atitude.

Parece que ele queria checar o que a mulher dissera sobre o ocorrido.

Ela fala de uma experiência fantástica, totalmente inusitada, em que um homem de aparência tremenda aparece e diz que ela deixaria de ser estéril, teria um filho nazireu que começaria a libertar Israel e ainda que mandou ela tivesse certos procedimentos alimentares. Muito estranho!

Parece que, com muito cuidado, Manoá queria se certificar pessoalmente que tudo estava realmente vindo de Deus.

E se fosse, queria receber pessoalmente as instruções de como proceder com o menino.

Ele não ofende a esposa, não debocha, não diz que duvidava, apenas queria comprovar que isso de fato vinha de Deus.

 

Eis um bom exemplo do que deve fazer alguém quando ouve algo sobre Deus: checar!

Como? Pedindo para Deus mandar um anjo? Não, conferindo na Bíblia!

Os bereianos checavam se o que Paulo dizia conferia com a Bíblia (VT): At 17.10-11

E Paulo não se mostrou ofendido. Ao contrário, elogiou os bereianos.

Vocês são testemunhas que eu costumo dizer: “Chequem tudo o que eu digo daqui do púlpito. Confiram, questionem, me perguntem.

 

v.9-14

É evidente que a atitude de Manoá foi boa, pois Deus atende e manda de volta o Anjo.

Detalhe curioso: o Anjo não aparece ao lado de Manoá, mas da mulher, como da 1a. vez.

Se o anjo viria apenas para tirar a dúvida do marido, por que não apareceu logo a Ele?

Talvez para honrar a mulher.

Ela foi fiel quando transmitiu a 1a. experiência.

Se agora o anjo aparecesse ao lado do homem, poderia dar a entender que estava desconsiderando a mulher, como se ela não tivesse sido confiável na 1a. vez.

 

Deus sempre honra os que lhe são fiéis.

Às vezes a maneira de honrar é meio esquisita aos nossos olhos, pois quando pensamos em honra pensamos em presentes, elogios, prêmios, coisas ligadas com conforto.

Mas a maneira de Deus honrar pode ser diferente, sutil, às vezes quase imperceptível.

O mundo nunca percebe. E mesmo os crentes podem ter dificuldade em notar, pois pode não vir acompanhada com coisas que ligamos ao sucesso, agradáveis, confortáveis.

 

Voltando: ela corre, chama o marido, o próprio Deus fica esperando, o marido volta e pergunta se foi Ele quem apareceu à sua mulher. Deus confirma.

Manoá, conforme havia dito que faria, pede instruções de procedimento com o menino.

E vai um pouco além: pergunta a função que o filho desempenharia:

... qual será... o seu serviço?

O pai estava muito curioso para saber mais detalhes sobre o papel do filho em Israel.

A mulher teria ouvido direito na 1a. vez, que o filho seria libertador de Israel?

 

O Anjo então responde...  absolutamente nada sobre a pergunta.

Ele se limitou a repetir as instruções que dera para a mulher.

Ao mesmo tempo em que atendia ao pedido de Manoá para que aparecesse de novo, o Anjo do Senhor não atende à curiosidade pessoal do homem!

 

Deus se agrada de atender os nossos mais profundos anseios de compreender mais a Sua palavra, de conhecê-Lo mais intimamente, de crescermos mais espiritualmente.

Mas quando entra na área da curiosidade pessoal, geralmente Ele não atende.

Não sabemos o nosso futuro, o que ocorrerá amanhã. Isso só sabemos no dia a dia.

 

No caso de Manoá, que ele aguardasse para ver o que ocorreria com o filho, Sansão.

Manoá não insiste e mostra boa hospitalidade:

 

v.15-20a

O Anjo diz que não comeria a comida de Manoá e sugere que preparasse um holocausto.

É implícito que aceitaria o holocausto, não como homem, mas como o Senhor, Jeová.

Ou seja, aqui o Anjo declara que era o próprio Jeová!

O casal ainda não havia se dado conta disso, mas era importante saber.

 

A propósito: Jesus sempre deixou claro que era divino.

Aliás, Jesus  só aceita relacionar-se com quem O reconhece como Deus, além de homem! Por outro lado, Ele não admite que se considere como divino alguém que não é.

 

Voltando: Manoá pergunta pelo nome do anjo:

Por que perguntas assim pelo meu nome, que é MARAVILHOSO?

(NVI: Meu nome está além do entendimento)

Orig. hebr.: inefável, que não se pode exprimir; secreto; acima da compreensão.

Is 9.6: obviamente se refere ao Messias, Cristo. Um dos nomes dEle é MARAVILHOSO.

Ou seja, até onde podemos ver, o Anjo do Senhor é o próprio Jesus Cristo numa teofania.

 

Manoá obedece e oferece sacrifício sobre a rocha (cabrito e oferta de manjares).

... e o Anjo do Senhor se houve maravilhosamente

Frase difícil, que não tem sujeito.

Talvez se refira ao que se seguiria, algo espetacular (“maravilhosamente” faz paralelo com o nome do Anjo, Maravilhoso – mesma palavra).

Ou seja, Deus agiu de forma coerente com Seu nome – assim como faz conosco, hoje!

De repente o Anjo do Senhor subiu na chama que Manoá fizera. Cena grandiosa!

 

v.20b

O homem e a mulher caíram com o rosto em terra, apavorados.

Esse senso de temor é comum na Bíblia, em alguma manifestação da presença de Deus, com a ideia de que quem visse o Senhor morreria.

Bem diferente hoje da irreverência tão comum no chamado meio evangélico, com uma adoração coreografada, teatral, banalizada.

 

v.21b

… então, Manoá ficou sabendo que era o Anjo do Senhor

Naquele momento Manoá compreendeu que era o próprio Deus que havia aparecido.

 

v.22-25

Vendo o marido em pânico, a mulher argumenta com lógica e bom senso: se Deus quisesse matá-los, não teria aceito holocausto e nem teria revelado tudo aquilo. Parece que conseguiu acalmar o homem.

Veja o valor inestimável daquela  mulher ao marido em pânico, acalmando-o.

Feliz do homem que tem uma mulher assim!

 

Sansão nasceu como Deus prometera, foi abençoado e começou a agir, sob o poder direto do Espírito Santo. 

 

Termino com v.21a:

Nunca mais apareceu o Anjo do Senhor a Manoá, nem a sua mulher

As manifestações sobrenaturais de Deus não eram tão comuns no AT, como se pensa.

Aconteciam apenas quando necessárias.

Se Manoá e a mulher tivessem se acostumado a associar a sua adoração ao Senhor com a presença dEle, iriam se decepcionar.

Se Deus já realizou em sua vida algo excepcional, graças a Deus, mas não se acostume. Adore-o pelo que Ele é e com base na Bíblia.

 

Que Deus nos abençoe. Amém

Mauro Clark, 69 anos, pastor, pregador e conferencista, foi consagrado ao ministério em 1987. Iniciou em 2008 a Igreja Batista Luz do Mundo, que adota a posição Batista Regular. Mauro Clark é também escritor. Produziu artigos em jornal por dez anos e tem escrito vários livros de orientação e edificação cristã. Em 2004 instituiu o Ministério Falando de Cristo.
FalandodeCristo © 2004-2021
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus."
1 Co 1.24b
close
Ministério Falando de Cristo © 2004-2021 - www.falandodecristo.com
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus." 1 Co 1.24b