PREGAÇÃO

Jesus quando tentado (Série AGINDO COMO JESUS 2 de 38)

Mt 4.1-11      29 minutos      05/04/2015         

Mauro Clark


headset Ouça
cloud_download Baixe
print Imprima
pregação close Jesus quando tentado (Série AGINDO COMO JESUS 2 de 38)
volume_upReproduzindo o áudio na barra inferior
Aos seus anjos ordenará a teu respeito que te guardem;
e:
  Eles te susterão nas suas mãos, para não tropeçares nalguma pedra.
7Respondeu-lhe Jesus: Também está escrito:
  Não tentarás o Senhor, teu Deus.
8Levou-o ainda o diabo a um monte muito alto, mostrou-lhe todos os reinos do mundo e a glória deles9e lhe disse: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares.10Então, Jesus lhe ordenou: Retira-te, Satanás, porque está escrito:
  Ao Senhor, teu Deus, adorarás, e só a ele darás culto.
11Com isto, o deixou o diabo, e eis que vieram anjos e o serviram.
Sociedade Bíblica do Brasil. (2003). Almeida Revista e Atualizada, com números de Strong (Mt 4.1–11). Sociedade Bíblic 

 Série AGINDO COMO JESUS: ênfase NÃO nos ensinos e doutrinas, mas na ATITUDE, no COMPORTAMENTO dEle.

Para que? Para IMITÁ-LO em situação semelhante. Este e o grande alvo das pregações.

 

Hoje: Como Jesus reagiu quando fortemente tentado – Mt 4.1-11

Alguns pontos sobre ATITUDE dele frente à tentação:

 

1) Reconheceu que estava sendo tentado (ao conversar com o próprio tentador)

À primeira vista, este comentário, de tão óbvio, pode parecer até meio ridículo.

No caso de Jesus, concordo, pois Ele estava pessoalmente conversando com o Diabo.

Mas quando nós somos tentados, não é daquela forma visível e pessoal. É muito mais sutil!

Pode ser tão sutil que o crente nem percebe que está sendo tentado! Quando vê, já caíu!

Quando pára e olha para trás, vê como estavam claros os sinais.

 

Como o conto do vigário: o ingênuo não nota, depois, fica tão óbvio que aquele sujeito era esquisito e a conversa dele não fazia sentido.

 

Excelente alerta da Bíblia: 1Pe 5.8a: sóbrios e vigilantes:

sóbrios: contrário de embriagado e embotado, mente clara, sensível.

vigilantes: alerta, extremamente atento, para reconhecer o inimigo quando ainda está longe

Como a sentinela nos fortes antigos quando viam nuvemzinha de poeira.

 

Pode acontecer também do crente PERCEBER, mas tenta se enganar, convencendo a si mesmo que não é realmente uma tentação: “É só uma situação delicada, talvez precise ter um pouco de cuidado, mas não vou espiritualizar tudo, dizendo que o Diabo está de olho em mim.”

É uma situação pior que a anterior, pois aqui houve irresponsabilidade.

O crente desconfiou que enfrentava uma situação, mas se recusou a reconhecer.

Isso acontece porque a carne GOSTA de pecar. E usa todos os argumentos para DIMINUIR o tamanho do perigo que se aproxima.

Se quisermos imitar Jesus, a primeira reação quando chegar tentação, é encarar o fato que estamos sendo tentados. Estou frente a frente com uma tentação.

Só essa atitude, já é muito importante para vencermos.

(Claro que conversar com o Diabo, como Jesus fez, não é aplicável a nós e muito menos aconselhável).

 

2) Jesus levou a sério a tentação, raciocinou sobre ela em cada etapa

O crente pode reconhecer que está sendo tentado, mas errar em não ligar.

“Ah, é só uma tentaçãozinha, coisa sem muita importância, tiro de letra”.

Se alguém podia “tirar de letra” uma tentação, seria Jesus (poderosíssimo em termos espirituais e sem pecado).

Mas não vemos nem de longe esse tipo de atitude dEle.

Só o fato de haver discutido com o Diabo, mostra que estava usando a Sua inteligência, Sua capacidade d e argumentação.

Entre outras coisas, Jesus conhecia os terríveis propósitos do Diabo em Lhe tentar.

Sabia o tamanho do estrago se caísse. Conhecia o que estava envolvido. Não poderia agir de outra maneira senão levar muito a sério.

A melhor maneira de imitarmos a Cristo e levar a sério uma tentação, é estarmos muito conscientes do tamanho da malignidade do inimigo.

Era exatamente assim que Paulo agia: 2Co 2.11

Devemos conhecer o que a Bíblia diz do Diabo, ler sobre o assunto, meditar e se preparar.

Quando tememos alguém suspeito que se aproxima na calçada, é porque não o conhecemos e nem sabemos o que poderá fazer a nós. Mas quando ele tira o revolver, acaba a dúvida!

E nós JÁ SABEMOS quem é o Diabo e o que ele quer de nós!

Não há como deixar de levar a sério quando ele se aproxima para nos tentar.

 

3) Resistiu firmemente à tentação

A tentação foi duríssima e real. Jesus estava com fome, debilitado.

O Diabo o apanhou numa situação desfavorável. Sugeriu que Ele fizesse comida, estando com muita fome.

Sugeriu que providenciasse socorro de anjos, numa situação artificial de se jogar do alto, só para provar que tinha poder. Ofereceu reinos e poder a Alguém que sempre foi muito poderoso, mas que estava esvaziado do seu poder.

Ou seja: tentação múltipla, longa, forte.

Jesus resistiu a tudo. Quer imitar Jesus? Resista às tentações.

Mais uma vez, além do próprio exemplo de Jesus, temos apoio bíblico: 1Pe 5.9 e Tg 4.7

 

4) Arma com a qual Jesus resistiu: Palavra de Deus

Em todas as 3 vezes, Jesus citou as Escrituras (v. 4, 7 e 10 - não entrar em detalhes).

Ele estava com a Bíblia na ponta da língua, na mente, no coração.

Valioso exemplo para nós: quer resistir às tentações? Esteja impregnado da Palavra Deus.

Não apenas com passagens decoradas (o que é ótimo!), mas principalmente com os PRINCÍPIOS gravados bem fortes na alma.

Não há arma mais forte para resistir uma tentação. Jesus sabia, usou a arma e venceu.

Vamos imitá-Lo!

 

Que Deus nos abençoe. Amém

Mauro Clark, 69 anos, pastor, pregador e conferencista, foi consagrado ao ministério em 1987. Iniciou em 2008 a Igreja Batista Luz do Mundo, que adota a posição Batista Regular. Mauro Clark é também escritor. Produziu artigos em jornal por dez anos e tem escrito vários livros de orientação e edificação cristã. Em 2004 instituiu o Ministério Falando de Cristo.
FalandodeCristo © 2004-2021
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus."
1 Co 1.24b
close
Ministério Falando de Cristo © 2004-2021 - www.falandodecristo.com
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus." 1 Co 1.24b