PREGAÇÃO

O sexto mandamento: Assassinos perdoados (Séries ÊXODO 60 e OS DEZ MANDAMENTOS 11 de 16)

Ex 20.13      42 minutos      27/10/2019         

Mauro Clark


headset Ouça
cloud_download Baixe
print Imprima
pregação close O sexto mandamento: Assassinos perdoados (Séries ÊXODO 60 e OS DEZ MANDAMENTOS 11 de 16)
volume_upReproduzindo o áudio na barra inferior

Ordem curta, direta: Não matarás.

Sete palavras no hebraico são traduzidas por “matar” no português.

Essa aqui (rasah) é usada 47 vezes, no sentido de assassinar (embora às vezes inclua assassinato não intencional).

De qualquer forma, é matar de forma errada, sem amparo legal.

 

Não é usada quando Deus mata, ou quando alguém mata um animal, ou matar na guerra, ou punição da lei, ou defendendo a casa à noite.

 

Em suma, uma tradução melhor seria não assassinarás.

Era proibido tirar a vida por motivos pessoais, premeditadamente.

 

Motivos implícitos por trás do mandamento:

1) O homem é imagem e semelhança de Deus.

2) Deus é o Criador, apenas Ele tem direito sobre a vida.

 

E é nessa autoridade que Ele autorizou morte de seres humanos no AT:

* Desobediência a algumas leis, como essa própria; amaldiçoar os pais; idolatria etc.

* Alguns pecados sexuais

* Guerra

* Legítima defesa: permitido, mas com limitações: só à noite

* Pena por agressão, estabelecida pelas autoridades: vida por vida

 

Por causas dessas leis, muitos pensam erroneamente que no AT o tom era basicamente de vingança, sangue, rigor excessivo etc.

Não é bem assim. Havia orientação para amar: Lv 19.18

A questão é que algumas leis visavam o aspecto CIVIL de Israel, para manter a ORDEM.

 

NT

Esse sexto mandamento vale hoje?

Não só vale como foi aumentada a exigência: Mt 5.21-22

 

O assassinato nasce no coração. A ação em si é mera consequência.

Para Cristo, o sentimento íntimo é tão pecaminoso que equivale a um assassinato.

E, como qualquer pecado, é suficiente para condenar ao inferno – embora obviamente não seja igual e nem tenha o peso de um assassinato de fato.

 

Algumas questões polêmicas e práticas.

Pena de morte: continúa válido: Rm 13.1-4: espada é para morte

 

Observações interessantes:

* Cristo foi condenado à morte e não vemos Bíblia dar idéia de que era errado o sistema em si. Errado foi o julgamento que Ele teve.

* O Sinédrio condenou Estêvão e não há indícios de que a autoridade era indevida.

* Pedro condenou Ananias e Safira à morte, e os executou - ver At 5.9

 

Guerra: Não é assassinato, não está incluido no mandamento.

Aborto: É crime contra ser um humano.

Suicídio: Bíblia não comenta, mas é assassinato contra si próprio. Entendo ser pecado, pelo menos em princípio. As motivações e circunstâncias de cada caso, Deus julgue.

Eutanásia: Em princípio, é errado provocar a morte. Mas, novamente digo: as circunstâncias extremas são tantas, que é melhor  deixarmos Deus julgar cada caso.

 

Em suma, devemos ter extremo respeito pela vida humana.

E não somente pela vida de um ser humano, mas pelo próprio ser humano em si.

Desprezar no coração, xingar, insultar – tudo isso é gravíssimo aos olhos de Deus.

 

É chocante dizer, mas pelos padrões divinos, somos todos assassinos no coração, e assassinos potenciais na prática.

Mas, sendo crentes, graças a Deus que somos assassinos perdoados em Cristo.

Vivamos de modo coerente com esse perdão e com o fato de sermos novas criaturas.

 

Que Deus nos abençoe. Amém

Mauro Clark, 69 anos, pastor, pregador e conferencista, foi consagrado ao ministério em 1987. Iniciou em 2008 a Igreja Batista Luz do Mundo, que adota a posição Batista Regular. Mauro Clark é também escritor. Produziu artigos em jornal por dez anos e tem escrito vários livros de orientação e edificação cristã. Em 2004 instituiu o Ministério Falando de Cristo.
FalandodeCristo © 2004-2021
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus."
1 Co 1.24b
close
Ministério Falando de Cristo © 2004-2021 - www.falandodecristo.com
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus." 1 Co 1.24b