PREGAÇÃO

Quer me acusar de louco? Tudo bem, sou um louco de Deus (Série 2 CORÍNTIOS 21 de 54)

2Co 5.11-13      53 minutos      04/01/2015         

Mauro Clark


headset Ouça
cloud_download Baixe
print Imprima
pregação close Quer me acusar de louco? Tudo bem, sou um louco de Deus (Série 2 CORÍNTIOS 21 de 54)
volume_upReproduzindo o áudio na barra inferior

No trecho anterior Paulo falara da existência presente num corpo fugaz, em contraste com o corpo eterno que teremos no céu. Disse que preferia deixar o corpo e habitar com o Senhor e terminou afirmando duas coisas importantes: que se esforçava para ser agradável a Deus e que todos os crentes iriam se apresentar diante do Tribunal de Cristo, para avaliação das obras nesta vida.

v.11

E assim...: portanto: como uma conclusão de que estava dizendo.

conhecendo o temor do Senhor, ou seja, tendo o temor a Deus.

Como se dissesse ao coríntios que o acusavam: “Vocês não estão lidando com um homem dedicado a construir um nome para si mesmo, a ser famoso e importante, a ter muitos liderados. Mas com um servo do Senhor altamente comprometido com Ele e que inclusive gostaria de já estar lá na presença dEle. E mais: eu não sou apenas comprometido com o Senhor, mas eu TEMO o Senhor. Eu sei que prestarei contas a Cristo por tudo o que estou fazendo aqui.”

 

“Temor do Senhor”: irmãos, que condição para vocês desejarem ouvir, até mesmo EXIGIR de seus pastores, de seus líderes.

Quando se pensa nas habilitações de um pastor, vem à mente se prega bem, se tem cuidado com as ovelhas do rebanho, se é bom caráter, se tem boa família.

Tudo muito importante. Mas talvez haja uma condição meio esquecida e mais importante que todas as outras para o pastorado: o temor do Senhor.

Um pastor pode pregar muito bem e não ter o temor do Senhor.

Pode ser visitador, atencioso com as pessoas, e não ter o temor do Senhor.

Pode ser bom caráter, sério, e não ter o  temor do Senhor.

Pode ter boa família e não ter o temor do Senhor!

 

Mas o que verdadeiramente tem o temor do Senhor cuidará de cada item deste e de todos os outros da sua vida, diante de Deus, buscando agradá-Lo, exercendo disciplina pessoal, lutando contra a carne e sabendo que será cobrado por um Deus santo, exigente e altamente CIUMENTO do rebanho dEle!

 

Mas como saber se um pastor tem o temor do Senhor?

Não é fácil. Acho que somente com o dia a dia, com as atitudes (grandes e pequenas).

Pelo menos uma coisa suplico: OREM para que seus pastores tenham e cresçam no temor do Senhor.

Mas uma igreja não deve se conformar que apenas os pastores e líderes tenham temor a Deus. Mas todos.

Afina, é condição fundamental para qualquer crente: Pv 1.7

Talvez o que mais leva o crente a pecar é pouco temor a Deus.

 

Voltando:

persuadimos os homens...

Deixando claro que na base do seu trabalho havia o temor a Deus, Paulo reconhece claramente que seu ministério era persuadir as pessoas.

 

persuadir: πειθω peitho: persuadir, i.e. induzir alguém, pelas palavras, a crer. Pode ter também o sentido de ganhar o favor de alguém, obter a boa vontade de alguém, ou tentar vencer alguém, esforçar-se por agradar alguém (Strong).

 

Persuadir o que a quem? Duas sugestões:

1. Persuadir os irmãos do caráter dele, da genuinidade do seu ministério

2. Persuadir a todos com o Evangelho.

 

... e somos cabalmente conhecidos por Deus

cabalmente conhecidos: φανεροω phaneroo: tornar manifesto ou visível ou conhecido o que estava escondido ou era desconhecido, manifestar, seja por palavras, ou ações, ou de qualquer outro modo

 

Para Paulo o importante é que Deus sabia quem ele era.

Era tranquilizador para ele saber que era totalmente conhecido por Deus.

Mesmo assim, isso não significava que desprezava o que pensavam dele:

 

... e espero que também a vossa consciência nos reconheça.

... nos reconheça: mesmo verbo traduzido por “cabalmente conhecido”.

Ou seja: “... e espero que também sejamos plenamente reconhecidos pela vossa consciência”.

Embora o alvo principal do pastor/líder é estar transparente diante de Deus, ao mesmo tempo procurará mostrar coerência, ganhar a confiança, ser devidamente reconhecido como autêntico ministro de Cristo.

Aliás, isso vale para qualquer crente.

 

v.12

Não nos recomendamos novamente a vós outros; pelo contrário, damo-vos ensejo de vos gloriardes por nossa causa, para que tenhais o que responder aos que se gloriam na aparência e não no coração.

Explicarei de trás para diante.

 

O verbo gloriar-se aparece duas vezes

gloriar: καυχημα kauchema: motivo para gloriar-se, gabar-se.

O contexto aqui é gabar-se de alguém.

Há dois tipos de gente: o que gosta de elogiar, ou defender alguém com base no que a pessoa aparenta ser, numa análise superficial, mal feita.

Paulo estava sendo vítima de pessoas assim na igreja de Corinto.

Criticavam coisas superficiais dele, até a aparência física (2Co 10.10).

Esse tipo de gente, fútil, jamais iria se achegar a Paulo, a gostar e falar bem dele.

 

O outro tipo de pessoa se relaciona com base mais firme, o procedimento, o caráter, a atitude, coisas que vêm de dentro do coração.

Era esse tipo que Paulo queria atrair.

Alguem que observa o outro com mais profundidade, mais sabedoria.

E até dispensa que alguém fique falando de si mesmo, se auto recomendando.

 

Paulo queria que essa fase de se auto recomendar tivesse ficado para trás.

E que os coríntios vissem nele não apenas o que dizia de si mesmo, mas a vida.

E mais: não que eles apenas vissem isso em Paulo, mas SE GLORIASSEM nele, o defendessem diante dos outros que se preocupavam com a aparência.

 

Uma pergunta: você se preocupa mais em viver como cristão padrão ou em fazer propaganda de si mesmo, mostrando serviço, dons, qualidade, etc?

A sua resposta indicará que tipo de gente você atrai e se sente atraído.

Se sua preocupação é cultivar um coração reto diante de Deus, sabendo que esse coração lhe levará a agir como verdadeira cristão, é esse tipo de gente que você influenciará. E é esse tipo que lhe atrairá - fazendo um círculo virtuoso.

 

Se seu esforço é concentrado em se exibir, você atrairá gente superficial, que caiu no seu conto do vigário, que pensa que você é o melhor crente do mundo.

E mais: a tendência é você próprio se aproximar de pessoas assim - num círculo vicioso.

 

v.13

Porque, se enlouquecemos, é para Deus; e, se conservamos o juízo, é para vós outros.

... enlouquecer: εξιστημι existem lit.: tirar da posição, deslocar; metaf: estar maravilhado, atônito; estar fora de si, insano - que é o caso aqui.

 

Tudo indica que Paulo havia sido acusado de ser meio enlouquecido.

Em que aspecto?

Duas sugestões:

1. Zelo excessivo

* Por isso ele se expunha a tão grandes perigos.

* Por isso ele tocava em temas religiosos tão explosivos aos judeus, como a Lei, etc.

* Por isso ele parecia impermeável às mais duras críticas

* Ousado e vibrante nas pregações

Nesse contexto foi criticado por Festo: At 26.24

Jesus foi avaliado assim pelos próprios parentes: Mc 3.21 (fora de si: mesma palavra)

 

2. Práticas místicas: falar línguas, visões etc.

 

Seja como for, ele não deixaria de agir assim, mesmo que fosse mal compreendido.

E certamente foi mal compreendido pelos superficiais e que gostam das aparências.

Mas que pelo menos os outros soubessem que, quando ele parecesse estranho, era por profundo compromisso a Deus.

 

conservamos o juízo: σωφρονεω sophroneo:  estar mentalmente saudável, sóbrio, em controle das próprias paixões.

Seria o asp ecto ordinário, normal, do ministério dele.

Quando ele agisse de modo obviamente ajuizado, quando fizesse o que todos aprovassem totalmente, que soubessem que tudo ele fazia por amor a eles.

Claro que no coração de Paulo, quer parecesse estranho ou ajuizado, era tudo por amor a Deus e ao próximo, ao mesmo tempo.

Em suma, se o que ele dizia e fazia era para Deus ou para o bem dos outros, por que as críticas?

 

Certamente é bom que queiramos agir com as pessoas (especialmente os irmãos) com bom senso e sobriedade.

Mas se às vezes nossa comunhão com Deus nos leva a agir de modo meio estranho, que seja assim mesmo.

 

Na próxima pregação veremos como Paulo leva esse raciocínio a alturas magníficas, com afirmações teológicas e práticas de imenso valor, incluindo proferindo um dos versículos mais famosos do NT.

 

Que Deus nos abençoe. Amém

Mauro Clark, 69 anos, pastor, pregador e conferencista, foi consagrado ao ministério em 1987. Iniciou em 2008 a Igreja Batista Luz do Mundo, que adota a posição Batista Regular. Mauro Clark é também escritor. Produziu artigos em jornal por dez anos e tem escrito vários livros de orientação e edificação cristã. Em 2004 instituiu o Ministério Falando de Cristo.
FalandodeCristo © 2004-2021
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus."
1 Co 1.24b
close
Ministério Falando de Cristo © 2004-2021 - www.falandodecristo.com
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus." 1 Co 1.24b