PREGAÇÃO

Um ministério exemplar - 2a parte (Série 2 CORÍNTIOS 29 de 54)

2Co 6.8-10      59 minutos      29/03/2015         

Mauro Clark


headset Ouça
cloud_download Baixe
print Imprima
pregação close Um ministério exemplar - 2a parte (Série 2 CORÍNTIOS 29 de 54)
volume_upReproduzindo o áudio na barra inferior

Na pregação passada vimos que Paulo descreveu 28 maneiras ou circunstâncias ou atitudes em que recomendava a si mesmo como ministro de Deus.

Separei em CINCO categorias. Vimos 4:

 

1. Provações (situações que ocorriam sobre ele)

nas aflições, nas privações, nas angústias, nos açoites, nas prisões, nos tumultos, nos trabalhos, nas vigílias, nos jejuns

 

2. Esforço em buscar conhecimento para si e aplicar no ministério

... no saber e na palavra da verdade

 

 

3. Total dependência de Deus e do Espírito Santo:

... no poder de Deus e no Espírito Santo

 

4. Virtudes cristãs

... na muita paciência, no amor não fingido, na longanimidade, na bondade, pelas armas da justiça, quer ofensivas, quer defensivas, na pureza

 

Hoje veremos a quinta:

5. Situações e circunstâncias com respectiva atitudes, indicando contraste

(esse contraste mostra contraste entre mundo e coisas de Deus)

 

v.8

por honra...: δοξα doxa: No NT sempre opinião positiva a respeito de alguém, que resulta em louvor, honra, e glória; esplendor, brilho

Paulo sabia o que era ser honrado, respeitado:

At 14.11-18 (aqui honrado até demais!); 16.39

 

Mas também conhecia o outro lado.

... e por desonra: ατιμια atimia: desonra, ignomínia, desgraça: At 16.24; 26.24

 

Você conhece alguma dessas duas situações opostas? Pelo menos uma delas?

Que pena! Você não sabe como isso caracteriza o serviço cristão. E enriquece!

Mesmo que seu serviço cristão seja discreto, procure se expor um pouco mais!

Garanto que você conhecerá muitas alegrias por Cristo que não conhecia antes.

 

... por infâmia (NVI: difamação): Rm 3.8

Jesus não apenas previu que os crentes seriam infamados, mas disse que isso sem uma felicidade: Mt 5.11

 

... e boa fama: 2Pe 3.15-16

 

Pergunta: Se é uma bem-aventurança ser mal falado, como fica a importância de dar bom testemunho?

A bem-aventurança é ser mal falado como calúnia,injustamente, não de modo verdadeiro.

 

como enganadores...: Muitas dessas acusações de defeitos de caráter provinham de alguns da própria igreja de Corinto, influenciados por falsos mestres.

Já vimos que Paulo alterou um plano de viagem e foi acusado de não ter dito a verdade, ter duas palavras.

 

... e sendo verdadeiros

Veja a quantidade de vezes em que Paulo afirmou expressamente que não mentia:

Rm 9.1; 2Co 11.31; Gl 1.20; 1Tm 2.7

Deve ter sido meio constrangedor para um homem daquele quilate ter de afimar o tempo todo que não era mentiroso.

Mas além de necessário para se defender, certamente aumentou sua humildade.

 

Segredo valioso da vida cristã: ser verdadeiro. Em tudo. Você é?

 

v.9

... como desconhecidos e, entretanto, bem conhecidos

Alguns acham que é “bem conhecidos” de Deus, mas penso diferente.

Paulo não era famoso como um grande político ou homem de artes, poeta.

Ao mesmo tempo, ele era bem conhecido do povo e mesmo das autoridades por onde andava (especialmente por causa dos tumultos que causava).

 

Interessante: hoje Paulo é um dos homens mais conhecidos da humanidade (6º. pelo Google e livros escritos sobre ele).

 

Quanto ao assunto de fama para o crente: não creio ser errado ficar famoso, desde que: a. O alvo não seja ficar famoso

b. Como reagir à fama.

 

como se estivéssemos morrendo... : alto risco de vida constantemente.

2Co 4.11; 1Co 15.31

 

Porém, mais importante que o real alto risco de vida, é a disposição de morrer, caso necessário, mesmo que o risco seja baixo.

 

... e, contudo, eis que vivemos

Vejo aqui como um brado de louvor ao Senhor da vida, àquele que tem o poder definitivo sobre a vida e a morte, que mantém tudo funcionando com a Palavra do Seu poder.

Por mais que enfrentasse perigos e ficasse frente à frente com a morte, enquanto o Senhor Jesus Cristo não determinasse, Paulo permaneceria vivo.

 

Esse raciocínio deve ser exercitado por nós continuamente, até se tornar um músculo poderoso em nossa estrutura espiritual.

Não apenas em questões de perigos por perseguição religiosa, mas aos muitos perigos que qualquer pessoa encontra desta vida: saúde, violência, etc.

Sejamos mais desassombrados com a morte, mais ousados no dia a dia.

Glorifique a Deus valorizando poder dizer a qualquer momento: “Eis que vivo!”.

 

como castigados

Talvez pensando na última frase “eis que vivemos”, Paulo quis deixar claro que, embora vivo, era uma vida sofrida, marcada por castigos de toda ordem - conforme já falara: açoites, prisões, tumultos.

 

... porém não mortos:

Esta frase é quase como uma espetada meio irônica nos adversários: mesmo com todas as tentativas de nos eliminarem, ainda estamos por aqui!

 

Esse último contrastes talvez tenha pouco sentido para nós, com liberdade religiosa.

Mas para quem vive sob perseguição, deve ter um valor tremendo e ser altamente significativo poder dizer toda manhã: Senhor, estou aqui mais uma dia, castigado, mas não morto, às Tuas ordens!

 

v.10

entristecidos, mas sempre alegres

Paulo, você está brincando de palavras conosco?

Ninguém pode estar faminto e saciado ao mesmo tempo. Ou exausto e descansado ao mesmo tempo. Ou bem desperto e sonolento ao mesmo tempo.

Da mesma forma, ninguém pode estar entristecido e alegre ao mesmo tempo!

 

Acho que a maioria das pessoas pensa exatamente assim.

Mas reconheço que algumas, mesmo sem Cristo, são muito alegres, “para cima”, “up”, e mesmo diante de grandes sofrimentos conseguem manter o ânimo e sorrir.

 

Mas não é dessa alegria que Paulo está falando.

E sim de uma alegria que somente o crente em Cristo conhece: a alegria fruto do Espírito.

Nas 5 passagens adiante veja o seguinte fenômeno: o contraste “provação x alegria” explicado pela presença de certa condição da pessoa.

 

1 Ts 3:7–10: privações, tribulação x alegria; fé, firmados no Senhor

 

Hb 10:34: encarcerados, espólio dos bens x alegria; possui patrimônio superior e durável

 

Tg 1:2–4: várias provações x alegria; fé e perseverança

 

1 Pe 1:6–8: tristezas por provações x exultação indizível e cheia de glória; fé mais preciosa que o ouro, amor a Jesus Cristo; alma salva

 

1 Pe 4:13-14: sofrimentos e injúrias x alegria e exultação; co-participante do sofrimento de

Cristo, verá a revelação da glória de Cristo, repouso do Espírito de glória e de Deus sobre a pessoa. 

 

Essa condições indicam situação espiritual altamente especial, profundamente envolvida com Cristo, com o Espírito Santo, com Deus.

Ou seja, é uma alegria EXCLUSIVA de alguém salvo.

 

Mas não pense que apenas o apóstolo Paulo ou alguém do seu quilate pode experimentar esse maravaliha de ter alegria real, profunda, interna, juntamente com tristezas.

VOCÊ pode experimentar isso! Qualquer crente!

 

Na próxima semana veremos os dois últimos contrastes.

Que Deus nos abençoe. Amém

Mauro Clark, 69 anos, pastor, pregador e conferencista, foi consagrado ao ministério em 1987. Iniciou em 2008 a Igreja Batista Luz do Mundo, que adota a posição Batista Regular. Mauro Clark é também escritor. Produziu artigos em jornal por dez anos e tem escrito vários livros de orientação e edificação cristã. Em 2004 instituiu o Ministério Falando de Cristo.
FalandodeCristo © 2004-2021
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus."
1 Co 1.24b
close
Ministério Falando de Cristo © 2004-2021 - www.falandodecristo.com
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus." 1 Co 1.24b