PREGAÇÃO

É vontade de Deus? (Série COLOSSENSES 1 de 30)

Cl 1.1-2      56 minutos      30/10/2016         

Mauro Clark


headset Ouça
cloud_download Baixe
print Imprima
pregação close É vontade de Deus? (Série COLOSSENSES 1 de 30)
volume_upReproduzindo o áudio na barra inferior
Pano de fundo:

Carta escrita em aprox. 63 dC, preso em Roma.

Refutação de várias heresias. Exaltação a Cristo.

 

v.1

Paulo: apóstolo: fora de tempo, mas viu a Jesus e foi comissionado.

por vontade de Deus

Não foi plano ou projeto profissional do próprio Paulo. Cristo o convocou!

E assim foi com os outros apóstolos. Nenhum se ofereceu.

 

Deus não apenas determina salvar alguém, dando-lhe fé.

Ele convoca, chama para determinada atividade, ou tarefa, ou missão.

 

O crente precisa estar alerta para a sua chamada:

“O que Deus quer de mim? De que forma Ele gostaria que eu O servisse?”

 

A maneira de perceber essa chamada varia muito: alguns, adquirem forte convicção.

Outros vão percebendo aos poucos.

Outros nem mesmo percebem uma chamada clara de atividade.

O importante é o crente estar alerta, disposto a trabalhar e se deixar dirigir por Deus a ponto de poder dizer que, qualquer que seja o serviço, está certo de que é por vontade de Deus.

 

... e o irmão Timóteo

Timóteo: discípulo de Paulo desde a 2ª. viagem missionária, em Listra - At 16.2

O pai era gentio, mas sua mãe e avó eram judias fiéis, que lhe ensinaram as Escrituras (AT) desde novo.

Paulo empregou muito tempo ensinado Timóteo, que muito o acompanhou.

Duas cartas de Paulo a Timóteo se tornaram cânon da Bíblia.

 

v.2: santos e fiéis

Santo vivo? Claro, os salvos em Cristo.

Santo: duas ideias: separado (do mundo, para Deus) e puro.

Paulo assumiu que, de modo geral, os santos em Colossos estavam sendo fiéis.

Mas, considerando que é assim que deve ser, será que é mesmo?

Alguém poderia nos escrever dizendo “Aos santos e fiéis irmãos da Luz do Mundo”?

E você, pessoalmente? Sente-se confortável com essa qualificação ou meio deslocado?

 

graça e paz... da parte de Deus nosso Pai

É uma maneira tão comum de Paulo iniciar suas cartas, que nem prestamos atenção.

Mas se pensarmos bem, veremos que é uma saudação riquíssima, por dois motivos:

1. Porque deseja aos irmãos algo da parte de Alguém extremamente especial:

... da parte de Deus..., do benigno Deus Criador de tudo. O que vier desse Deus é bom.

 

Mas isso não é tudo: esse Deus Todo Poderoso é algo mais para nós:

... nosso Pai

Ele guarda conosco uma relação íntima, pessoal, direta, amorosa.

Nunca teremos ideia do quão honroso para nós, míseros pecadores, é termos chegado ao ponto de poder chamar Deus de nosso Pai. Como isso ocorreu? Depois veremos.

 

Continuaremos na próxima pregação.

Que Deus nos abençoe. Amém

 

Mauro Clark, 69 anos, pastor, pregador e conferencista, foi consagrado ao ministério em 1987. Iniciou em 2008 a Igreja Batista Luz do Mundo, que adota a posição Batista Regular. Mauro Clark é também escritor. Produziu artigos em jornal por dez anos e tem escrito vários livros de orientação e edificação cristã. Em 2004 instituiu o Ministério Falando de Cristo.
FalandodeCristo © 2004-2021
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus."
1 Co 1.24b
close
Ministério Falando de Cristo © 2004-2021 - www.falandodecristo.com
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus." 1 Co 1.24b