PREGAÇÃO

DIA DOS PAIS: Filho de peixe, mas não peixinho

1Sm 8.1-5      56 minutos      09/08/2020         

Mauro Clark


headset Ouça
cloud_download Baixe
print Imprima
pregação close DIA DOS PAIS: Filho de peixe, mas não peixinho
volume_upReproduzindo o áudio na barra inferior
 

Um dos personagens bíblicos mais exemplares foi Samuel.

Currículo:

Sacerdote desde criança: 1Sm 2.18; Profeta: 1Sm 3.19-21; Juiz: 1Sm 7.15-17

Vida perfeita: 1Sm 12.1-5

Não é difícil imaginar os excelentes cidadãos em que se tornaram os filhos desse homem.

Será?

 

Currículo pequeno, mas arrasador, o dos filhos.

 

O que houve para esse desequilíbrio?

De duas, uma: Samuel falhou em educá-los corretamente ou de fato os educou bem, mas os filhos não corresponderam.

A primeira, é possível, mas improvável, pelo altíssimo padrão de retidão de Samuel.

Como não podemos afirmar, consideremos as duas opções, que podem acontecer com qualquer pai.

Antes de qualquer coisa, vejamos a responsabilidade que Deus coloca sobre o pai quanto à educação do filho:

Dt 6.4-6; Ef 6.4

 

Sendo assim, todo pai tem dois caminhos a seguir:

1. Obedecer a Deus, educando os filhos biblicamente.

Duas coisas podem acontecer.

a. Os filhos absorvem a educação e se tornam pessoas corretas (não obrigatoriamente crentes). Pv 22.6

Os grandes patrimônios da vida não são materiais, mas existenciais, morais.

E entre eles, um dos maiores é o prazer de um pai ver filhos que ele educou, bem encaminhados, que honram o nome do pai e da mãe.

E esse prazer se torna um deleite quando o pai vê o filho se converter e andar nos caminhos de Deus.

Com certeza, esse prazer o grande Samuel não teve.

 

b. Os filhos repelem a boa educação que o pai tentou dar e se tornam maus cidadãos.

É provável que esse tenha sido o caso dos filhos de Samuel.

 

Interessante é que, para efeito de como ficará o pai diante de Deus, não importa se o resultado é o primeiro ou segundo! O pai fez a sua obrigação!

Os filhos que aguentem a duríssima cobrança que virá de Deus.

Mas, para o pai, é muito reconfortante saber que está aprovado por Deus.

Pelo menos isso poderá servir como alivio para compensar a dor de um pai justo ver os filhos errados.

 

Agora, vamos à segunda hipótese:

2. O pai desobedece a Deus e não educa os filhos biblicamente.

Considerarei apenas pais crentes.

Talvez você pense:

- Pensei que ele iria considerar apenas pais não crentes, pois é obvio que pais crentes não vão agir assim.

Infelizmente, não é bem assim. Muitos pais crentes não educam os filhos biblicamente.

Não que propositadamente agem assim, como um critério. Isso não teria sentido.

Mas esse não é o único motivo pelo qual muitos não educam o filho como Deus orienta.

Há muitos outros: pouco amor ao filho, preguiça, pouca convicção de que a Bíblia funciona ainda hoje, recusa em disciplinar, medo do filho, falta de convívio mínimo, etc.

É triste, mas crentes sérios costumem cair em uma ou vários dessas armadilhas.

Pode ter sido o caso de Samuel, não sabemos.

Mas o que desejo mesmo é que você tenha certeza de que esse NÃO é o seu caso!

Fica o apelo: examine se você está educando o seu filho como Deus ordenou.

Se não, qual o motivo. E decida corrigir isso.

 

Mudando para o plano espiritual, lembro que temos um Pai celeste que nunca seguirá pelo caminho de educar erroneamente os filhos dEle!

Aliás, isso seria um contrassenso em si mesmo, pois assim Deus estaria indo contra os Seus próprios caminhos!

Mas veja como é confortável e agradável para nós, sabermos que temos um Pai que nunca, em um momento sequer, nos educará de forma errada.

Não há pai humano no mundo que esteja nessa condição.

Nem Samuel, nem ninguém, pois todos somos pecadores. Podemos acertar bastante, mas certamente erraremos.

Mesmo o filho de um crente super fiel, nunca poderá dizer que ser pai o educou de maneira perfeita.

Mas isso não ocorre com o Pai celeste.

Triste é que frequentemente duvidamos um pouco (ou muito) dos critérios que esse Pai maravilhoso usa para nos educar!

Isso é um absurdo da nossa parte e mostra o quanto somos falhos, míopes.

Quando isso ameaçar vir em sua mente, pare e diga:

“Pode me parecer estranho essa maneira do Pai celeste me educar, mas errado não está. Então, o que posso aprender com isso”?

 Veja as Escrituras, ore pedindo sabedoria para compreender ou, pelo menos, aceitar.

E mesmo que não compreenda, fique tranquilo porque você está recebendo a melhor educação que um ser humano pode desejar.

 

Que Deus abençoe os pais e os ilumine para educar os filhos como Deus orienta.

Se o resultado for filhos corretos como cidadãos, ótimo!

Se além de corretos, se converterem, amém!

Se o filho for uma vergonha para você,  respeite a vontade de Deus e pelo menos sabia que você está em paz com Deus.

E os filhos sejam gratos a seus pais que lhes educam/educaram bem, mesmo com falhas.

E nós, crentes, sejamos ultra gratos a esse Pai que tanto nos amou, antes mesmo de Ele fundar o mundo, ainda nos ama e sempre nos amará, e que concede a nós uma educação perfeita!

 

Que Deus nos abençoe. Amém


Mauro Clark, 70 anos, pastor, pregador e conferencista, foi consagrado ao ministério em 1987. Iniciou em 2008 a Igreja Batista Luz do Mundo, que adota a posição Batista Regular. Mauro Clark é também escritor. Produziu artigos em jornal por dez anos e tem escrito vários livros de orientação e edificação cristã. Em 2004 instituiu o Ministério Falando de Cristo.
FalandodeCristo © 2004-2022
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus."
1 Co 1.24b
close
Ministério Falando de Cristo © 2004-2022 - www.falandodecristo.com
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus." 1 Co 1.24b