PREGAÇÃO

Evangelismo eficaz só com bom testemunho

Mt 5.14-16      59 minutos      11/04/2021         

Mauro Clark


headset Ouça
cloud_download Baixe
print Imprima
pregação close Evangelismo eficaz só com bom testemunho
volume_upReproduzindo o áudio na barra inferior

Qualquer recém convertido sabe que a grande responsabilidade da Igreja é pregar o Evangelho. Pregar para quem?

Para os perdidos, afim de ganhá-los para Cristo e para os salvos, visando edificação.

Na semana passada, foquei na questão de pregar para os perdidos, vendo lições de  evangelismo pessoal do apóstolo Paulo.

Mas quero ir mais fundo e perguntar: a responsabilidade da Igreja, coletivamente, e do crente, pessoalmente, se limita a pregar, tipo “Pregue e está tudo bem?” Não.

Existe uma responsabilidade paralela a ser cumprida, enquanto pregamos. Qual?

 

Mt 5.14-16

 

v.14a: Vós sois a luz do mundo...

Afirmação clara, direta, contundente: somos a luz do mundo.

Impressionante é que Cristo disse que quem é a luz do mundo é Ele próprio: Jo 8.12!

Quer dizer que somos luz do mundo exatamente como Cristo é a luz do mundo?

Não. A fonte de luz é Ele. Nós não temos luz nenhum emanando de nós.

Nós refletimos a luz dEle.

O fato é que a luz tira a escuridão, destrói a falsa impressão das penumbras, revela o que é verdadeiro.

 

Continuando com a figura, Jesus fala duas coisas sobre a luz:

v.14b-15

1. É impossível esconder algo que está iluminado e está exposto.

2. Se alguém acendeu uma luz é porque quer iluminar algo. Portanto, não tem sentido acender uma lâmpada para esconder.

 

Então faz a aplicação, que na realidade é uma ordem:

v.16: Assim brilhe também a vossa luz diante dos homens

Jamais uma lamparina tímida vai correr para debaixo da mesa depois de acesa.

Se o dono colocar em cima, lá ela ficará.

Mas uma pessoa se move.

Um crente tímido pode querer se esconder ao descobrir que está refletindo a luz de Cristo. Só que o próprio Cristo adverte: não se esconda!

É como se dissesse: “Você não é luz do mundo por acaso. Eu lhe fiz luz, jogando sobre você a minha luz. E fiz com um um propósito: lhe expor ao mundo”.

 

E por que tanto interesse de Jesus que o crente não se esconda e assim, se torne bem visível aos outros?

 

...para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai que está nos céus

O assunto aqui não é pregação, mas modo de vida, comportamento, testemunho!

Os crentes devem se comportar de tal modo que os outros vejam e falam bem do Deus maravilhoso que os transformou.

Somente pregar o Evangelho, portanto, não é tudo!

Dizer para alguém ir a Cristo para obter salvação não é tudo.

Ao mesmo tempo em que você diz isso, você precisa ter vida exemplar.

E a vida exemplar de cada um terminará caracterizando a igreja como sendo excelente!

 

Vejamos alguns pontos práticos que mostram essa excelência:

Fp 2.14-16

Paulo toca em dois pontos fundamentais:

1. Diz que somos luz do mundo. Ou seja, repete as palavras de Cristo.  

Ao dizer isso, faz quatro recomendações quanto ao nosso comportamento:

a) Que não haja murmúrio, queixa entre os crentes. Esse murmúrio rapidamente sairá pelos portões da igreja e alcançará os ouvidos do mundo.

b) Que não haja brigas (pode e até deve haver discordância, mas sem briga)

c) Que sejamos irrepreensíveis. Esse é o ideal, o alvo.

Mas como somos pecadores, a perfeição na terra é impossível. Então, ser irrepreensível, na prática cristã, é quando errar/pecar, reconhecer e tratar devidamente (com Deus e as pessoas).

d) Que sejamos sinceros. Como Jesus odiava a hipocrisia!

 

2. Que esse mundo, do qual somos luz, é pervertido e corrupto (estragado).

Implicação óbvia: isso torna ainda mais difícil andar de modo exemplar.

A nossa própria carne já é ruim o suficiente para nos impedir um andar perfeito.

Mas como se isso não bastasse, o mundo nos puxa para baixo, nos atrapalha.

Essa mistura “nossa carne + malignidade do mundo” é altamente explosiva. Cuidado.

 

Antes de encerrar, veja a importância do testemunho para ganhar almas a Cristo:

1Pe 2.11-12

... mantendo exemplar o vosso procedimento no meio dos gentios...

Decisões internas naturalmente se refletem num comportamento externo.

Ao se abster das paixões carnais, o crente automaticamente exibe um procedimento exemplar diante dos que são do mundo.

 

- Mas se somos estrangeiros e peregrinos, em vez de ficar dando satisfação aos que são daqui, não seria melhor deixar de prestar atenção neles?

Embora seja uma pergunta lógica, a resposta é NÃO.

O fato de não sermos daqui e estarmos de passagem, não significa que estamos dispensados de qualquer tipo de relacionamento com o mundo.

Ao contrário: estamos aqui exatamente para cumprimos o grande propósito de proclamar as virtudes de Deus, começando com os perdidos (conforme já falamos).

Pois bem, a FORÇA e o EFEITO dessa proclamação dependerão diretamente do tipo de procedimento que tivermos aqui.

 

Versículo 12b: ... para que, naquilo que falam mal contra vós outros como de malfeitores, observando-vos em vossas boas obras glorifiquem a Deus ...

Impressionante: Pedro repete literalmente o que Jesus falou!

Dois pontos aqui:

1) O mundo fala mal dos salvos.

Fala mal, dizendo o que? Que são malfeitores (lit. que praticam o mal).

Naquela época, os crentes eram acusados de imoralidade (festa do amor; intimidade de se chamarem irmão e irmã), subversão à ordem, canibalismo (comer corpo e beber sangue); deslealdade ao imperador; ódio da humanidade; insuflar escravos; ateísmo (não tinham ídolos).

 

Obviamente o contexto mudou nesses 2000 anos.

No Brasil, onde há liberdade e paz religiosa, não há acusação oficial contra crentes.

Mas de forma sutil e informal, ainda falam mal dos salvos em Cristo que tentam ser fiéis.

São acusados de falta de amor, de fanatismo, de incoerência, intransigência e tantas outras coisas.

 

2) O mundo precisa ver o CONTRASTE entre o que diz de nós e o que fazemos.

O que diz? Que somos malfeitores. O que devemos mostrar? Boas obras.

Veja que Pedro nem comenta sobre a necessidade de nos defendermos, mostrando a Palavra de Deus, argumentando, etc.

Podendo argumentar, é válido. Mas às vezes não é possível ou não adianta.

Jesus também argumentava, mas às vezes calava diante de acusações.

O importante é não esquecer que o FAZER é tão básico que o falar fica secundário.

O que adianta você dizer que não é malfeitor e FAZER coisas típicas de malfeitores?

A incoerência é fatal para o bom testemunho.

 

E POR QUE o mundo precisa ver contraste entre o que diz de nós e o que fazemos?

Qual a IMPORTÂNCIA desse nosso testemunho?

para que.., observando-vos em vossas boas obras, glorifiquem a Deus

Até aqui, idêntico ao que Jesus falou.

 

Agora Pedro coloca um fator “tempo” desse glorificar a Deus pelos gentios:

... no dia da visitação

A que ocasião se refere? Duas interpretações:

1) Julgamento final, quando haverá confissão obrigatória (Ver Fp 2.9-11)

O homem sem Cristo é orgulhoso demais para reconhecer que estava errado e que os salvos são benfeitores e pregam a um Deus maravilhoso.

Farão isso apenas quando forem obrigados.

 

2) Visita de Deus à alma da pessoas, para efeito de conversão.

Assim pensa a maioria dos intérpretes, sendo a minha tendência.

A Vinda do Messias foi vista como visitação: Lc 1.68,78-79; 7.16; 19.44

Levada pelo Espírito Santo, a pessoa se rende, confessa-se pecadora e glorifica a Deus.

Então verá o quanto foi útil o testemunho dos crentes, de quem tanto falara mal.

Observe que nesse caso, o seu procedimento tem VALOR EVANGELÍSTICO!

Já pensou, levar alguém a Cristo pelo procedimento?

 

Seja como for, é importante sabermos que nosso procedimento, mesmo criticado, servirá para que os homens glorifiquem a Deus.

Só isso justifica que sejamos resistentes às críticas e às perseguições.

Deixem que falem mal de nós, quando fizermos o que Deus quer.

O Senhor está vendo. Ele falará bem de nós. Ele será por nós. E Ele sendo por nós, quem será contra nós?

E um dia Ele próprio reverterá tudo isso para a glória dEle.

 

Vamos levar pessoas a Cristo, tanto pela pregação, quanto pelo bom testemunho!

Que Deus nos abençoe. Amém

Mauro Clark, 69 anos, pastor, pregador e conferencista, foi consagrado ao ministério em 1987. Iniciou em 2008 a Igreja Batista Luz do Mundo, que adota a posição Batista Regular. Mauro Clark é também escritor. Produziu artigos em jornal por dez anos e tem escrito vários livros de orientação e edificação cristã. Em 2004 instituiu o Ministério Falando de Cristo.
FalandodeCristo © 2004-2021
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus."
1 Co 1.24b
close
Ministério Falando de Cristo © 2004-2021 - www.falandodecristo.com
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus." 1 Co 1.24b