PREGAÇÃO

QUIETUDE de alma

      minutos      05/02/2017         

Mauro Clark


headset Ouça
cloud_download Baixe
print Imprima
pregação close QUIETUDE de alma
volume_upReproduzindo o áudio na barra inferior


ALMA QUIETA

 

Na pregação passada, vimos que, além de pregar o Evangelho, o crente deve estar atento para uma chance de conversar, explicar, exortar o outro.

Comentei que esse componente crucial do dever cristão na divulgação do Evangelho, parece estar em baixa atualmente.

E apontei como uma das causas a ideia moderna de “ganhar a vida”, encher o tempo com empregos, cursos, viagens e negócios, numa rotina agitada, “sem tempo”, “no sufoco”.

 

Ora, esse modo de vida é exatamente o oposto do que a Bíblia considera tão importante, e que será o nosso tema hoje: quietude de alma.

 

Embora seja uma pregação temática, quero tomar como ponto de partida o texto:

Ex 14.13-14

Contexto: fuga do Egito, Faraó atrás, mar Vermelho bem à frente.

O povo reclama apavorado, mas Moisés os acalma, dizendo três coisas:

 

1. Não temais

O medo alimenta a si próprio, formando um ciclo vicioso até virar pânico.

E turva o raciocínio, impedindo exame cuidadoso da situação, opções, etc.

 

Boa parte das suas agitações deve ser causada pela falta de confiança em Deus.

Você pensa: “Se eu não resolver minhas necessidades, quem o fará? É eu ou ninguém”.

Só que você sabe que é fraco, é um recurso muito precário. E começa a ficar com medo.

Quanto mais medo, mais se agita.

A primeira coisa é cortar o medo, com o ganho de confiança em Deus.

 

Is 7.2-4,7: Não temas...

Temos mania de nos apavorar com os Rezims e Pecas que deixam os nossos corações intranquilos como árvore numa ventania. E não passam de tocos de tição fumegante!

Temos tantas promessas de Deus sobre proteção, orientação.

 

Antes de fazer um milagre, Jesus gostava de dizer “Não temais”.

 

- E como faço para diminuir meu medo e aumentar minha confiança em Deus?

Não posso me concentrar nesse assunto agora, mas, resumindo: oração, leituras, alimentar-se com a Palavra de Deus, meditação.

 

Temo que seja grande a falta de costume do crente hoje em ter momentos a sós com Deus, com calma, para ao menos dar oportunidade ao Espírito Santo interceder por ele.

Livros alertam sobre o perigo dos pastores se envolverem tanto com tarefas administrativas, providências, vai e vem, que deixam em 2o. plano momentos quietos para meditar, orar, contemplar a Deus.

 

Voltando: Moisés continua:

2. Aquietai-vos. Em outras palavras: “Parem com toda essa agitação, calma”!

 

Moisés então apresenta um motivo prático e fortíssimo:

3. Vede o livramento do Senhor que, hoje, vos fará

A palavra mais importante dessa frase não é “livramento”, mas “VEDE”.

Ficar quieto e sem medo não era o objetivo final, mas um MEIO, uma condição necessária para que eles pudessem usufruir plenamente da experiência que viria a seguir.

A experiência seria “somente” a abertura do Mar Vermelho, a passagem segura e o fechamento após eles, afogando os egípcios.

 

Reconheço que não adianta alguém dizer apenas “Não tenha medo, irmão, fique calmo”.

- Mas... com base em que eu não devo ter medo? E por que vou ficar calmo?

- Porque você tem um Deus que cuida de você. E você somente poderá OBSERVAR esse Deus cuidando de você se ficar com alma quieta.

E ao ter a quietude para observar esse Deus agindo, você APRENDE dEle.

Os judeus aprenderam tantas coisas ao observarem Deus abrindo o Mar Vermelho.

 

Nesse sentido, eu gostaria de ter o privilégio de ser um Moisés para você e dizer:

“Calma. Aquiete a sua alma, para observar ao redor, analisar, receber informações das Escrituras e diretamente do próprio Espírito Santo”.

 

Lembram-se de Marta e Maria? Por que Jesus elogiou Maria e não Marta?

Porque foi ela quem entendeu que os afazeres domésticos teriam de parar naquele momento pois era hora de ouvir e aprender. E permitiu-se um sossego de alma aos pés de Cristo.

 

E mais: apenas observar Deus agindo e aprender sobre Ele ainda não é o alvo do crente, mas o ponto de partida para uma aventura espetacular.

Essa aventura é aproximar-se de Deus, conhecer melhor a Pessoa dEle, se apaixonar por Ele e fazer com que tudo na vida se torne secundário.

Esse é o resultado final, o prêmio de quem tem a alma quieta: conhecer por experiência própria, que Deus é Deus: Sl 46.10

O próprio termo “saber” tem o sentido de conhecer, descobrir, discernir, saber por experiência (Strong).

 

Agora imagino você dizendo:

"Puxa, tudo isso é tão legal. Como eu gostaria de ser mais quieto, viver mais tranquilo e crescer no conhecimento pessoal de Deus."

Ótimo. Decida, ponha isso como OBJETIVO claro e palpável nesta vida.

Para isso, alguns conselhos práticos da Bíblia:

 

* 1Tm 2.1-2: ... para que vivamos vida tranquila e mansa (gr: quieto, calmo - Strong)

O estado de tranquilidade ou intranquilidade da nação interfere na quietude pessoal do cidadão.

Para isso a Bíblia sugere orar por quem tem poder para interferir no bem estar da população.

 

* 1Ts 4.10b-11: diligenciardes por viver tranquilamente

tranquilamente: igual à segunda palavra acima: quieto, calmo.

Duas observações:

a. diligenciar: ser ambicioso, esforçar-se ardentemente, querer muito.

Tranquilidade é um alvo difícil de ser alcançado, que precisa ser perseguido tenazmente!

 

b. Viver tranquilamente NÃO significa viver ociosamente, mas pode incluir cuidar do que é vosso, trabalhar com as próprias mãos.

Mas não um trabalho que obriga a viver correndo para lá e para cá, elétrico, afobado, cheio de afazeres que não dá conta, etc.

Mas um tipo de atividade que permita quietude de espírito.

Repito: para conseguir isso, é preciso ter um alvo e dar duro para alcançar!

 

* Sl 131.1-2: Não ande à procura de grandes coisas, projetos complicados, alvos que lhe roubarão tempo e cabeça, e exigirão grandes sacrifícios na família, na saúde, no serviço cristão e especialmente na comunhão com Deus.

Duas dicas importantes do texto sobre andar à procura de coisas assim:

1. Pode ser resultado de soberba

2. É incompatível com uma alma sossegada (veja a força de “pelo contrário”).

 

* Pv 17.1

Aqui NÃO está dizendo para preferir uma vida pobre do que uma confortável.

Mas para ter uma vida confortável à custa de contendas, e tensões, então é melhor ser mais modesto, se isso trará tranquilidade.

Interessante: na vida moderna, não se faz esse questionamento.

Quanto mais confortável minha vida, melhor! E ponto final!

- Mas, e o custo disso?

- Ah, vou ter de pagar, isso faz parte.

Só que Deus diz o contrário: “Se faz parte, caia fora. Não pague o preço!”

 

* Sl 4.4b: Tenha como costume pensar nas coisas à sua volta, seus passos, opções.

Medite, dê tempo a si próprio.

 

Termino com uma passagem belíssima:

Is 30.15

Contexto: Judá com medo das ameaças da Assíria, pensava em se aliar com o Egito.

Deus ficou com ciúmes e disse que não adiantava alianças.

Se eles quisessem ser salvos, que se convertessem a Ele e ficassem quietos!

A força deles não seria militar, nem de alianças políticas, mas em ficaram tranquilos e confiando nEle.

 

A aplicação é tão clara: a força do crente não está no dinheiro, na saúde, no poder político: mas numa TRANQUILIDADE oriunda de profunda CONFIANÇA no Senhor!

Parece paradoxo, mas a força do crente está em SER TRANQUILO, em ter a alma sossegada em Cristo!

 

Quanto a você, amigo, vá a Cristo e veja o que é quietude de alma!

 

Que Deus nos abençoe. Amém

Mauro Clark, 70 anos, pastor, pregador e conferencista, foi consagrado ao ministério em 1987. Iniciou em 2008 a Igreja Batista Luz do Mundo, que adota a posição Batista Regular. Mauro Clark é também escritor. Produziu artigos em jornal por dez anos e tem escrito vários livros de orientação e edificação cristã. Em 2004 instituiu o Ministério Falando de Cristo.
FalandodeCristo © 2004-2023
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus."
1 Co 1.24b
close
Ministério Falando de Cristo © 2004-2023 - www.falandodecristo.com
"... pregamos a Cristo, poder de Deus e sabedoria de Deus." 1 Co 1.24b